UNISINOS – Café Conecta: minha escola em 10 minutos

Tema foi debatido durante um encontro com professores de escolas no Campus Unisinos Porto Alegre

Foto: Rodrigo W. Blum

Café Conecta movimentou o Campus Unisinos Porto Alegre na manhã de ontem, 4/4. O evento reuniu professores de escolas para um momento de troca de conhecimento. O tema abordado durante o encontro foi “Minha escola em 10 minutos”.
A mediadora e gerente dos cursos de Licenciatura da Unisinos, Laura Dalla Zen falou da inovação em sala de aula e da importância do papel que o professor desempenha. “Não adianta ter uma sala inovadora, sem professor. Depende muito do professor, o trabalho é fundamental”, ressaltou.

Professores e representantes de escolas falam no Café Conecta
Algumas escolas foram selecionadas e apresentaram seus projetos durante o encontro. No primeiro bloco, a professora Márjori Barbosa apresentou o projeto “Sustentabilidade” da Escola Estadual de Ensino Médio Tuiuti de Gravataí. Ela destacou a importância de mostrar para os alunos a diferença que podem fazer como agentes de transformação nos lugares onde estão.
“Mostrar para a comunidade escolar o quanto é importante a ação dentro da escola, o quanto pode modificar. O objetivo é plantar a semente. É mostrar para essa gurizada o quanto eles são importantes e como eles podem fazer a diferença”, completou.

“Design Cognitivo Tecnológico” foi o projeto apresentado pelas professoras, Isabel Tremarim e Iris Valiente da Silva, do Colégio Anchieta. Isabel contou que a ideia surgiu em 2012 ao se questionar sobre como seria fazer inovação em educação. Iris explicou que o objetivo é estimular a criação e os talentos, uma oportunidade para os alunos mergulharem no universo das pessoas que usam um determinado espaço na hora de criar.

A professora de física, Marina Sanfelice Valenzuela falou sobre o projeto “Peer Instruction na Sala de Aula”. Ela destacou que a ideia é estimular a argumentação dos alunos nas respostas e a interatividade com a utilização de uma linguagem mais próxima para facilitar o aprendizado.

Durante o segundo bloco, outras escolas apresentaram seus projetos. A psicóloga educacional do Colégio Santa Inês, Bianca Sordi Stock falou sobre a conservação dos biomas. A iniciativa faz parte do projeto que estuda a Campanha da Fraternidade de 2017 que tem como tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”.

A professora do Colégio Maria Auxiliadora, Cláudia Rosana de Souza falou sobre o “Curtas CMA” que trabalha a linguagem no desenvolvimento de roteiros de curtas. O Colégio Marista São Pedro também percebeu a necessidade de trabalhar o cinema na sala de aula. “Com o projeto Clube do Filme, a ideia foi criar um espaço, dentro da escola, para discutir e debater. Proporcionar outra forma de conhecimento do cinema”, explica o professor Alexandre Rocha de Andrades.

O projeto “Educação em Valores” do Colégio Militar de Porto Alegre encerrou as apresentações. A professora Cristina Kaszuba de Freitas explicou que a ideia é trabalhar os valores sem que sejam determinados. De uma forma diferente, sendo percebidos e vivenciados pelos alunos. “Um espaço onde podemos ver o muno que desejamos”, concluiu.

Durante o Café Conecta, foram realizados momentos interativos com a participação da professora do curso de Pedagogia da Unisinos, Nara Nörnberg. O espaço serviu para troca e compartilhamento de novas práticas de ensino e aprendizagem, estimulando a análise dos projetos.
Após as apresentações, os participantes fizeram uma visita técnica na Torre Educacional.