Prefeitura quer retomar projeto de construção de presídio na cidade

Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de São Leopoldo

Superlotação, infraestrutura inadequada, risco de conflitos e fuga em massa. Esta é a realidade do setor de carceragem da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de São Leopoldo. Os detentos que ocupam a carceragem deveriam permanecer de forma provisória no local até a homologação do flagrante e encaminhamento para o sistema prisional, o que não acontece. Para buscar uma solução o Gabinete de Gestão Integrada (GGI) fez uma reunião extraordinária, na tarde desta sexta-feira, 7 de abril.
A principal preocupação do chefe do Executivo Municipal é chamar a atenção do governo do Estado para a necessidade de construção de um presídio na cidade. “Temos uma situação insustentável pela falta de vagas nos presídios. Em São Leopoldo temos uma área de terra para isso, pertencente ao governo do Estado e onde já havia sido feito um estudo de impacto de vizinhança. Estava tudo acertado para construir um presídio na nossa cidade. De última hora, fomos surpreendidos com a informação de que seria em outra cidade. Nossos esforços serão para retomarmos este projeto”, afirmou Vanazzi.
O secretário de Segurança e Defesa Comunitária, Carlos Sant’Ana, acolheu as sugestões dos demais participantes da reunião e encaminhou algumas soluções de maneira provisória. “Vamos fazer uma rodada de reuniões com órgãos que possam ser parceiros para esta solução provisória. Vamos ver a disponibilidade de vagas na DPPA de Novo Hamburgo. Também queremos verificar a possibilidade de utilizar a carceragem do Fórum de São Leopoldo. Foi levantada a possibilidade de criar um convênio com os quartéis do Exército da cidade para montar uma estrutura para abrigar os presos. Vamos verificar essas possibilidades e na segunda-feira (10), apresentar o que conseguimos encaminhar”, destacou o secretário Carlos Sant’Ana.
Também participaram da reunião extraordinária do GGI o promotor de justiça da Promotoria de Justiça Criminal de São Leopoldo, Thomás Colletto; o titular da Delegacia de Homicídios da cidade, Vinícius do Valle; o diretor do Instituto Penal de São Leopoldo, Jairo da Silva; o comandante interino do 25º Batalhão de Polícia Militar, major André Stein; e o comandante da Guarda Civil Municipal, Wagner Pires.