SÃO LEOPOLDO – Cesta básica tem elevação de 1,40% no mês de abril

O Procon de São Leopoldo constatou a variação de 1,40% na pesquisa da cesta básica de abril, comparado ao mês de março. O item com maior aumento foi o tomate, 62,99%. Outros produtos que contribuíram para a elevação foram o papel higiênico (29,77%), a salsicha (27,55%) e o biscoito (25,88%). Já, o produto com maior redução de preço foi o sal com -37,06%. A cesta básica de maior valor chegou a R$ 472,70, enquanto a de menor valor foi de R$ 399,81.

Conforme Anajara Nowatzki, servidora do Procon e realizadora da pesquisa, desde a pesquisa realizada em outubro/2016 o percentual constatado vem sendo negativo: “Abril é o primeiro mês com variação positiva constatada pelo Procon no ano de 2017”, conclui a servidora.

Chamou a atenção na pesquisa, a pequena retração no valor da carne em três fornecedores pesquisados, comparados ao mês anterior. Em um dos estabelecimentos, o quilo do corte de carne de segunda com osso encontrado, mais em conta para o consumidor, estava com o valor de R$19,98, em abril. Este valor impulsionou o item para uma variação positiva no mês. “A pesquisa consiste em justamente identificar uma situação real de compra. Para uma comparação justa entre os estabelecimentos, o levantamento é realizado sempre em um mesmo dia”, explica Samir Soares, servidor do Procon designado para a pesquisa.

Para Nowatzki, a retração do preço da carne não apresenta ainda números significativos. Em decorrência da investigação denominada “carne fraca”, a expectativa é que enquanto não houver a reabertura gradual do mercado externo, o excedente seja comercializado internamente, o que pressionaria os preços para baixo, analisa a servidora.

Pesquisa mensal
O Procon realiza mensalmente um levantamento de preços nos quatro maiores supermercados do município, com o objetivo de verificar a variação de preços neste período e incentivar o consumidor a realizar uma prévia pesquisa de preços. “As quantidades mencionadas têm por base o consumo médio de quatro pessoas e a pesquisa consiste em identificar o menor valor e a marca de cada um dos 27 itens da cesta básica, em cada um dos estabelecimentos”, esclarece o diretor do Procon, Clovis Okada.

De olho no mercado
Uma tendência observada no mercado são os cartões próprios dos fornecedores. É uma prática comercial que tem por objetivo estimular o uso do cartão do fornecedor pelo consumidor, para que as compras realizadas por este meio, no estabelecimento, proporcionem descontos mais atrativos. Apesar de ser uma prática legal, o consumidor deve estar atento às regras de contratação. Ler atentamente o contrato poderá evitar futuras dores de cabeça. Isso porque o consumidor, ao aderir e aceitar o cartão, pensando apenas nos benefícios e descontos, também está aceitando os juros e multas contratuais em caso de inadimplência, anuidade e outras taxas contidas no contrato, alerta Okada.

Cesta Básica – São Leopoldo – ABRIL 2017