Depressão, hipertensão, insônia, infarto: como a crise econômica afeta a saúde do brasileiro

Estresse, pressão e forte competitividade são fatores que já fazem parte do ambiente de trabalho em todo o mundo. Em meio à maior recessão de sua história, este cenário no Brasil se agrava e prejudica diretamente a saúde do trabalhador. A clínica-geral do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Rossana Russo Funari, elencou os principais danos à saúde que podem ser desenvolvidos a partir desta situação.

Estresse e pressão: Ambos ocasionam sérios danos à saúde, sobretudo quando os problemas não dependem da pessoa para serem solucionados. “Existe um aumento de hormônios e substâncias que danificam o organismo. A elevação da produção do cortisol e da adrenalina também afeta a frequência cardíaca, pressão arterial, níveis glicêmicos e ainda causa distúrbios alimentares e de sono”.

Insônia: Quem não se desliga do trabalho, acaba levando os problemas para a cama, não conseguindo ter um momento de relaxamento cerebral, que é fundamental para a saúde. “A insônia gera graves consequências, como o aumento da incidência de infartos, acidentes vasculares cerebrais e perda de concentração e memória”, alerta a médica.

Síndrome do pânico, ansiedade e depressão: Muito frequente, a pessoa nem se dá conta que está sofrendo dessas doenças. Para a clínica-geral, isso reflete diretamente na capacidade do funcionário, prejudicando o relacionamento no ambiente de trabalho e familiar.

Fadiga e infarto: São situações cada vez mais comuns, principalmente para quem não tem alguma válvula de escape, como uma estrutura familiar favorável, lazer e atividades físicas compensatórias. “É fundamental compartilhar os anseios ou descarregar toda energia em algum esporte ou outra atividade que o desligue do trabalho”, indica a especialista.

Síndrome de Burn out: Também conhecida como a síndrome do esgotamento profissional, é uma preocupação muito grande entre os médicos. Para Rossana Russo Funari, é um reflexo da sociedade moderna em que as cobranças são muitas, indo além do que o funcionário pode suportar. “O estresse é tão alto que causa a incapacidade física e mental permanente da pessoa, com risco alto, inclusive, de suicídio”.

Assédio psicológico: Ameaças constantes de demissão por parte do empregador e muita pressão por mais resultados geram alto grau de estresse e queda de autoestima, que podem incapacitar o funcionário para qualquer outro trabalho no futuro.

Trabalhar, mesmo doente: Segundo a médica, quando se chega a este ponto, a pessoa nem percebe que está ficando doente e segue em frente com medo do desemprego, trabalhando mais do que o próprio corpo pode aguentar. “Isso acontece quando o medo de ser demitido ou advertido pelo chefe já chegou ao nível mais extremo”, ressalta.