Homenagem aos 71 anos da República Italiana

A República Italiana surgiu em 1946, após a Grande Guerra, por escolha do povo em um referendo – Foto: Daniela Barcellos/Palacio Piratini

Os 71 anos da República Italiana foram celebrados em um jantar, para cerca de mil convidados, nesta segunda-feira (5), no Grêmio Náutico União, em  Porto Alegre. O evento recebeu o governador em exercício José Paulo Cairoli, três membros do parlamento italiano, o presidente do comitê para os italianos no exterior, autoridades e convidados. Dados do Consulado-Geral indicam que, atualmente, após 142 da chegada dos primeiros imigrantes, um terço da população gaúcha é de origem italiana.

Cairoli destacou a importância dos descendentes de imigrantes italianos que vivem no Rio Grande do Sul. “Pela representatividade da colônia italiana, me sinto orgulhoso de lembrar desta data”, recordando os ideais democráticos do processo constituinte da Itália. “A República nasceu de um referendo, ou seja, pela vontade popular. A população deve ser consultada sempre que for necessário”, concluiu.

De acordo com o cônsul-geral da Itália em Porto Alegre, Nicola Occhipinti, os mais de 3 milhões de gaúchos de origem italiana “são um inestimável capital humano”.

A festa

A comemoração é resultado de uma parceria público-privada entre o Consulado-Geral da Itália e a Câmara de Comércio Italiana no Rio Grande do Sul, e outros patrocinadores. O convidado de honra da noite é o embaixador italiano no Brasil, Antonio Bernardini. Estão previstas uma exposição de aquarelas com o tema Arquitetura Italiana no Rio Grande do Sul, do pintor Rogrido Schiffner, e duas obras da artista plástica Maria Di Gesù, além da exibição de dois vídeos realizados pelo Ministério das Relações Exteriores italiano e a RAI, Vivere all’Italia.

A data

A festa ocorre para lembrar o dia de 2 de junho de 1946, quando, depois de 20 meses de guerra civil (de 8 de setembro de 1943 até 25 de abril de 1945, quando acabou a ocupação nazifascista), o povo italiano foi chamado a votar num referendo, para escolher entre Monarquia e República. Foi a primeira vez na história da Itália que as mulheres votaram. Ganhou, por poucos votos, a República.