Seis jovens representarão o Brasil na Olimpíada Internacional de Matemática

Estudantes têm idades de 16 a 19 anos e saíram de processo de seleção que começou na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

Este ano foi inaugurado o Biênio da Matemática Brasil Arquivo/Agência Brasil

Em julho, o Brasil vai sediar pela primeira vez a Olimpíada Internacional de Matemática (IMO, em inglês). Seis estudantes vão representar o País na competição que ocorre na cidade do Rio de Janeiro.

A Região Nordeste é a que enviará o maior número de representantes para a competição: três alunos e dois professores como líderes da delegação. Os outros três integrantes da equipe são de São Paulo e Minas Gerais.

Os jovens têm idades de 16 a 19 anos e saíram de um processo de seleção que começou na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). Davi Cavalcanti Sena, do Recife, e Bruno Brasil Meinhart, de Fortaleza, são os mais jovens do time, com 16 anos. Além de terem a mesma idade, eles cursam o ensino médio na mesma escola de Fortaleza.

O outro estreante na IMO é o paulistano André Yuji Hisatsuga, de 17 anos. O paulista Pedro Henrique Sacramento de Oliveira, 17 anos, trouxe uma medalha de prata e o cearense George Lucas Diniz de Alencar, de 18, uma de bronze. Eles completam o time com o mineiro João César Campos Vargas, de 19 anos, que participará de sua terceira edição na competição.

Segundo o diretor do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), Marcelo Viana, a grande participação de moradores da região se repete em várias edições. “É uma tradição bastante antiga. Algumas escolas, sobretudo de Fortaleza e de Recife, são escolas tradicionais e que sempre se empenharam no apoio aos alunos. E a escola tem um papel fundamental”, afirmou.

A delegação foi escolhida depois das provas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). Os selecionados cursam o ensino médio e têm entre 16 e 19 anos.

Matemática no Brasil

O Brasil ainda vai sediar outros eventos que envolvam a matemática até o próximo ano, como o Congresso Internacional de Matemáticos de 2018 e o Encontro Mundial de Mulheres Matemática. Isso porque foi lançado em 2016 o Biênio da Matemática Brasil 2017-2018.

A expectativa de Marcelo Viana é que esses eventos incentivem o estudo da disciplina no País. “A matemática não é para gênios, é para todo mundo, e todo mundo usa”, afirmou Viana, que torce para que a seleção estabeleça um novo recorde de medalhas para o Brasil na olimpíada.