Risco de trombose associado ao uso de anticoncepcional

Apesar das pílulas anticoncepcionais serem a escolha de 75% das mulheres que usam métodos contraceptivos no Brasil, no último ano, vimos crescer o número de pessoas preocupadas com o surgimento de trombose causada pelo uso medicamento. De acordo com o Dr. César Fernandes, presidente da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), esse crescimento se deu pela falta de informação das mulheres sobre o real risco de trombose devido ao uso das pílulas anticoncepcionais.

Segundo o especialista, o número de mulheres com trombose causada pelo uso da pílula é muito baixo, do ponto de vista epidemiológico. “Os estudos mostram que o risco de uma mulher que toma pílula ter trombose é de 8, no universo de 10 mil mulheres”. Esse número é muito maior quando mulheres gestantes são analisadas. A possibilidade de uma mulher grávida ter trombose é de quase 30 para 10 mil mulheres. Enquanto lactante, o risco sobe ainda mais e vai para 300 em cada 10 mil mulheres. “As mulheres devem ficar tranquilas, pois se tratadas com pílulas modernas, com baixos índices hormonais e indicados para o seu perfil, os riscos de trombose caem ainda mais”, diz o especialista.

Vale ressaltar que, ainda que o medicamento seja eficaz e seguro, o risco também existe, principalmente para mulheres que apresentem alguns fatores: idade acima de 35 anos, obesidade, períodos prolongados de imobilização (cirurgias, acidentes, viagens aéreas), tabagismo, câncer, histórico familiar de trombose, gestação e puerpério imediato (período pós-parto até 45 dias), além dos distúrbios genéticos da coagulação (trombofilias).

Para reduzir ainda mais esses riscos é imprescindível que as mulheres procurem um ginecologista para que, juntos, definam o melhor método anticoncepcional para ela e seu parceiro. “O papel do médico é fundamental no processo de escolha do anticoncepcional, pois ele é capacitado para analisar o histórico de saúde da paciente e oferecer alternativas que facilitem a vida dessa mulher”, finaliza Dr. Fernandes.

Afim de levar informação relevante e segura sobre contracepção, a Febrasgo criou a campanha #VamosDecidirJuntos. Ela conta com uma plataforma digital com informações seguras e baseadas em orientações médicas, vídeos com especialistas, textos e artigos sobre o tema. O portal oferece, ainda, um espaço para que as mulheres tirem suas dúvidas sobre os métodos contraceptivos. Tudo isso para estimular que a mulher faça uma autorreflexão sobre sua vida sexual, seu momento de vida e sua saúde e leve os questionamentos para seu médico.

Acesse: www.vamosdecidirjuntos.com.br