Departamento do torcedor realiza workshop com torcidas e autoridades

Encontro reuniu Grêmio, torcidas organizadas e reconhecidas, MP, Judiciário, BM e Arena

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

A noite desta quarta-feira representou um marco no relacionamento do Grêmio com suas torcidas. Em um workshop realizado no auditório do Conselho Deliberativo, na Arena, o Departamento do Torcedor do Clube reuniu torcidas organizadas, Arena Porto-Alegrense, Brigada Militar, Ministério Público e Juizado Especial do Torcedor. Com apresentações e posterior debate, o encontro serviu para afinar a sintonia entre todos os atores envolvidos em no espetáculo dos jogos do Tricolor. Também foi apresentado o novo processo de cadastramento biométrico dos torcedores.

O presidente Romildo Bolzan esteve presente e saudou a iniciativa do Departamento do Torcedor Gremista em organizar o evento valorizando a harmonia que se busca nas arquibancadas da Arena, citando inclusive o investimento feito pelo Clube na tecnologia necessária ao cadastramento biométrico da sua torcida.

“Essa iniciativa de fazer esse encontro é o coroamento de uma série de iniciativas feitas que visam estabelecer uma convivência plena, harmoniosa e definitiva dentro do estádio do Grêmio. O último fato foi a anistia ampla da Geral, que eu acho um ato extremamente importante do ponto de vista de um gesto de confiança de poder se manifestar como torcida organizada. Foi um ato importante do ponto de vista de busca da harmonia. O Grêmio aportou um valor para facilitar o aspecto da biometria. Foi necessário realizar, para harmonizar o ambiente. Mas eu vejo todo mundo empenhado em buscar aquilo que representam as Torcidas Organizadas. Todas essas questões são importantes, pois o que mais vale é o espetáculo ser harmonioso. Que tudo que se faz dentro do estádios seja única, e exclusivamente, para prestigiar o time”, destacou.

Diretor do DTG desde abril, o advogado Juliano Ferrer foi quem abriu o evento. E chamou a atenção para o trabalho que encontrou pela frente, dizendo que em nenhum momento sentiu qualquer dificuldade no diálogo com as torcidas e as autoridades, e valorizando o desenvolvimento das relações nesses dois meses.

“Essa ideia do workshop partiu do doutor Marco Aurélio Xavier. Na primeira vez em que estive no Juizado, para apresentar a nova diretoria, ele referiu que achava interessante que fizéssemos um workshop para reunir as torcidas. Levamos adiante e estamos inaugurando, quem sabe, o primeiro de muitos encontros. Vou confessar, e temos que ter um evento franco e transparente: quando fui convidado, eu não ouvi de ninguém a frase ‘vai que é barbada’. As pessoas estavam erradas. Estou convivendo com pessoas que têm palavra, as coisas funcionam e estamos conseguindo desenvolver um trabalho bem legal”, disse de início.

Juliano Ferrer também explicou qual é o papel do DTG, e elogiou a conduta das torcidas organizadas no relacionamento com o Clube.

Também compareceram ao workshop os diretores-adjuntos do DTG Marcos Vargas, José Germano Pires Jr., Stefan Ludwig, Guilherme Luce e Claiton Araújo, e o supervisor Thiago Floriano, que também manifestou as intenções do Departamento.

Trabalhando em sintonia com Ministério Público, Judiciário e Brigada Militar, o Grêmio deu espaço também para os representantes das instituições públicas.

De parte do Ministério Público, falou o promotor Márcio Bressani, da Promotoria do Torcedor do MP-RS. Em sua explanação, falou do papel da Promotoria na interlocução com o Grêmio e suas torcidas.

Nos dias de jogos, o JECRIM da Arena abriga o Poder Judiciário, através do Juizado do Torcedor. Responsável pelo trabalho, o doutor Marco Aurélio Xavier ressaltou a importância e o papel de liderança que as torcidas organizadas têm no contexto de uma partida de futebol, sublinhando a responsabilidade de todos os atos durante uma partida.

“As Torcidas Organizadas têm uma importância muito grande. Elas lideram o estádio. São maestros no ato de torcer. São extremamente importantes. Mas essas lideranças geram responsabilidades. É muito importante termos essa consciência. A ética institucional não pode destoar do bem comum. O Juizado do Torcedor, como o MP, a Brigada Militar, e inclusive os clubes, está ali para estar ao lado do torcedor ordeiro. O torcedor que contribui para que tenhamos um ambiente sadio”, destacou.

Para o juiz, o Grêmio é motivo de importante reconhecimento por conta da postura adotada em relação aos seus adversário e aos cuidados necessários no ambiente de jogo.

Por fim, representando a Arena Porto-Alegrense, parceira do Clube na gestão do estádio, falou Gabriel Meneghetti, diretor de operações. Inicialmente, Gabriel explanou o interesse da Arena no bom andamento da festa da torcida tricolor, ressaltando que o Grêmio e sua torcida são as razões de ser de um ativo tão importante para Porto Alegre.

Logo depois, o diretor de operações da Arena apresentou e detalhou, em primeira mão, o processo de cadastramento das torcidas organizadas – que será divulgado nos próximos dias, com orientações de como e onde ocorrerá o procedimento.

Ao final do encontro, os torcedores e os expositores trocaram ideias e experiências, em um debate com perguntas e respostas que teve como objetivo esclarecer quaisquer dúvidas pendentes e alinhar ainda mais o compromisso pela harmonia e a manutenção da inigualável festa da torcida tricolor.

Entre as Torcidas Organizadas, estiveram presentes: Garra Tricolor, Geral do Gêmio, Torcida Jovem e Velha Escola. Também foram à Arena representantes Núcleo de Mulheres Gremistas. Também compareceram representantes dos movimentos Grêmio Independente, Grêmio Unido, Grêmio Democrático e do Departamento Consular, assim como o Assessor da Presidência, Coronel Melo, e o executivo de Marketing, Beto Carvalho.