RS confirma primeiro caso de microcefalia associado ao zika

Mosquito aedes aegypti é transmissor da doença

A Secretaria Estadual da Saúde recebeu nesta semana a confirmação do primeiro caso de Síndrome Congênita em decorrência de zika vírus contraído no Estado. O caso estava sendo monitorado desde a gestação, quando a mãe, residente em Ijuí, apresentou um quadro da doença.

Após o nascimento, em julho de 2016, a criança passou a ser acompanhada em Santa Rosa e Porto Alegre. Exames clínicos e radiológicos realizados pelo Sistema de Informação sobre Agentes Teratogênicos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (SIAT/HCPA) mostraram que ela possui alterações compatíveis com a Síndrome Congênita do Zika Vírus. Além disso, o Laboratório Central do Estado (Lacen) confirmou, por testes laboratoriais, que a mãe adquiriu o vírus durante a gestação. Como a paciente não viajou para fora do Estado, o caso é caracterizado como autóctone, isto é, contraído no RS. A criança está recebendo atendimento de reabilitação por meio da Linha de Cuidados da Pessoa com Deficiência.

Até então, o RS apresentava dois casos de Síndrome Congênita associada ao zika, nos municípios de Cachoeira do Sul e Esteio. Em ambos os casos, o vírus havia sido contraído pelas gestantes fora do Estado.