Urgência ou emergência? Saiba identificar a situação do pet

Assim como em humanos, os casos de urgência em animais de estimação são muito variados. Para ajudar o pet, é importante que os tutores mantenham a calma e saibam diferenciar casos de emergência e de urgência. “As urgências são casos de menor gravidade, como, por exemplo, vômito ou diarreia intensos, convulsões, casos de infecção urinária e pequenas hemorragias externas, que são fáceis de identificar e normalmente foram provocadas por cortes, perfurações ou briga entre cães e gatos”, comenta o veterinário e fundador da rede Animal Place, Jorge Morais.

O veterinário explica que em alguns casos, como o de pequenos ferimentos, o dono pode prestar os primeiros socorros, garantindo que o animal não tenha complicações. “Em casos de cortes, por exemplo, os donos podem aplicar um pano limpo ou gaze sobre o ferimento, pressionando até que o sangramento pare. Feito isso, deve encaminhar o animal para o veterinário tomar as próximas medidas, como a desinfecção e sutura no local”, completa.

Já as situações de emergência são aquelas mais críticas, inesperadas e súbitas, onde o pronto atendimento é fundamental para identificar e sanar o problema. “São casos como hemorragia, parada cardíaca ou respiratória, atropelamento, envenenamento, choque elétrico e afogamento, e precisam da intervenção imediata do veterinário para garantir a sobrevivência do animal”, diz. A dica é que, caso seja necessário, o ideal é encaminhar o animal para atendimento em um hospital veterinário. “Mantenha em lugar de fácil acesso o telefone do hospital veterinário de confiança, de preferência que assegure a presença permanente de médicos veterinários 24 horas por dia. A agilidade no socorro pode salvar vidas”, finaliza Morais.