Arena Petry destaca arquitetura contemporânea e sustentável

A região da Grande Florianópolis ganhará no primeiro semestre do próximo ano o maior e mais completo centro de eventos multiuso com a entrega da Arena Petry, em São José. A primeira fase da obra foi concluída, com a entrega da estrutura principal pela Proaço, na última semana. Com uma área que abrange 23 mil metros quadrados, distribuídos em quatro pavimentos, o objetivo é que o espaço seja referência no segmento de eventos, tanto pela infraestrutura física, quanto pelos serviços oferecidos.

Aliás, foi com esta premissa que surgiu o projeto arquitetônico da Arena, que tem assinatura do arquiteto e urbanista Luiz Octavio. “Para atender as necessidades do cliente – que havia solicitado um layout multiúso para a casa – priorizamos a construção de salas modulares”, explica o arquiteto.

O pavimento térreo tem dois halls de entrada: o principal dá acesso à área de shows, e um secundário ao restaurante do primeiro pavimento. Ao entrar no hall principal se tem ainda acesso à pista central de shows com área de 2.325,60m², e ainda às salas modulares que são duas de cada lado da casa (quatro no total), com área de aproximadamente 450 m² cada. Ainda no térreo encontra-se o palco, com área de atuação de 360m² e mais 166m² de área de coxia (apoio do palco).

Segundo Luiz Octavio, todos os ambientes têm acessos independentes, módulos individualizados de bar, caixa, banheiros, cozinha e depósitos de apoio. “As salas modulares têm divisórias retráteis acústicas, que são painéis com alto desempenho acústico (isolamento e qualidade de som). Isso possibilita, por exemplo, a realização de duas festas diferentes ao mesmo tempo, em cada uma das salas, sem que uma interfira na outra, seja com o som ou com o uso de instalações”, explica.

Para maior comodidade dos clientes, essas salas ainda podem se adequar ao tamanho necessário do evento. Como as divisórias são removíveis, a sala pode ter 450 ou 900m²; ou então, se preferir, o espaço pode ser palco de um único evento – com capacidade de lotação máxima – apenas com o recolhimentos das divisórias, que resulta na integração de todos os ambientes.

No primeiro andar está estruturada a mesma divisão de salas modulares existentes no térreo (duas de cada lado), com as mesmas características de independência entre eventos (instalações e acessos). Além disso, há um mezanino para camarotes voltados à pista de shows, com lounge e um restaurante.

No segundo andar fica o mezanino do restaurante e as suítes corporativas, que são camarotes privativos com visão privilegiada de toda parte interna da casa. Ainda no mesmo pavimento, foi planejada uma área externa com telhado verde e decks de madeira.

“Pensando no conforto do público, foram previstos diversos módulos de banheiro, caixa e bar distribuídos por toda a extensão de cada ambiente. Isso significa que a pessoa não precisará atravessar toda a casa para ir ao banheiro ou ir ao bar, já que sempre terá um módulo desse por perto”, pontua o arquiteto.

Soluções tecnológicas e sustentáveis

O projeto da Arena Petry segue uma linha de arquitetura contemporânea e sustentável. De acordo com Luiz Octávio, está previsto o reaproveitamento da água da chuva, todos os ambientes são climatizados com equipamentos dotados de controle inteligente de automação e os materiais de acabamento foram selecionados de modo a otimizar a climatização. “A casa será toda automatizada. Em tempo real poderá ser feito todo acompanhamento de consumo de energia, climatização, vigilância”.

Por ser uma construção em concreto pré-moldado, o investimento em tecnologia ocorre desde o primeiro pilar que foi colocado na obra, reforça o arquiteto, isso devido ao formato diferenciado que obrigou a engenharia a buscar soluções fora do padrão para alcançar a proposta buscada.

Seguindo a tendência de uso de materiais de acabamento com desempenho tecnológico, destacamos na obra grandes vãos de fachada em pele de vidro com uma especificação de vidro termoacústico, que além de beleza à obra, também ajuda no controle de temperatura e isolamento acústico do ambiente. Seguem a mesma linha o uso de uma fachada ventilada em cerâmica e de painéis de alumínio composto com iluminação de LED.

Aliás, lembra o profissional, a iluminação da casa será basicamente em LED, principalmente pelo fato da economia e versatilidade do sistema de iluminação. No quesito acústica, o projeto combina diferentes materiais técnicos, o que propicia tanto um isolamento quanto a qualidade de som em qualquer ambiente da casa.

O término da construção está previsto para o primeiro semestre de 2018.

 ARENA PETRY EM NÚMEROS:

Área construída: 23.000,00 m²,  dividida em 4 pavimentos. O primeiro deles é um subsolo com estacionamento para 150 automóveis com área de acesso para o hall de entrada da casa e uma cozinha industrial para atender a demanda da casa.

Público: 19 mil pessoas – capacidade aprovada pelo Corpo de Bombeiros

Estacionamento: área externa com 38.556,43 m² e capacidade para 1850 vagas

Pista central de shows: área de 2.325,60 m²