75% dos diagnósticos de osteoporose são em mulheres

Ter osteoporose, doença conhecida por gerar fraqueza esquelética, significa maior risco de ter fraturas. Um estudo recente da Fundação Nacional de Osteoporose, dos Estados Unidos, destacou que o distúrbio esta condição médica é mais comum entre as mulheres. Um dos motivos para este alto diagnóstico no público feminino pode ser as alterações hormonais, tais como a queda de estrogênio. Essa variação de hormônios é mais comum após o período da menopausa, como afirma o ortopedista Alexandre Paniago, da Clínica Arthros.

osteoporose - 75% dos diagnósticos de osteoporose são em mulheres
Foto: Divulgação

“Adicionado a essas alterações, temos que a densidade mineral óssea (DMO) da mulher é menor do que a masculina, ou seja, são mais finos. Desta forma ela apresenta uma maior vulnerabilidade óssea”, explica. De acordo com o médico, o número de pacientes com osteoporose entre as mulheres além de ser maior, é precoce, apresentando sintomas com a idade média de 50 anos. “O número pode chegar de até 3 mulheres para cada homem atingido, em especial com as pessoas brancas”, completa.

Outras causas

Não apenas por questões hormonais, a osteoporose também pode surgir por outras razões. Como, por exemplo, fatores genéticos. Em pessoas negras, possuem uma densidade mineral óssea maior do que as demais etnias em geral. “Alguns elementos como baixa exposição solar durante a vida, fumo, uso de drogas, deficiências nutricionais, sedentarismo, imobilização prolongada, doenças como hiperparatireoidismo, doenças reumáticas, entre outros, favorecem o surgimento da desfunção”, afirma.

Após o diagnóstico, o paciente deve seguir com medicamentação sob orientação médica. No caso da mulher, é indicado que um especialista para recomposição hormonal deve também acompanhar o caso. “A suplementação com vitamina D, ou a simples exposição ao sol sem filtros e com roupas leves é um dos importantes aliados ao tratamento de osteoporose”, finaliza.

Fonte: Fundação Nacional de Osteoporose, EUA