Sem Fôlego: obra de Brian Selznick vira filme

Sem Fôlego, obra do best-seller Brian Selznick, vira filme com estreia nos cinemas brasileiros em outubro

Livro, do mesmo autor de A Invenção de Hugo Cabret, traz aventura por territórios inexplorados conduzindo os leitores a uma viagem sensível e deslumbrante pela história do cinema

O livro Sem Fôlego (de título original Wonderstruck), do escritor americano Brian Selznick, publicado no Brasil pela SM, virou filme. A obra é escrita pelo mesmo autor do best-seller A Invenção de Hugo Cabret, publicado pela mesma editora, e que também foi adaptada para o cinema. O filme, de Martin Scorsese, foi vencedor de cinco estatuetas do Oscar em 2012.

Em Sem Fôlego, as histórias de duas crianças distanciadas por meio século se entrelaçam em fascinante simetria: uma em palavras, outra em imagens. Em silêncio, o menino sofre com a ausência do pai, e a menina acompanha de longe a carreira da mãe famosa. Ambos sonham com uma vida diferente, até o dia em que decidem fugir de casa e aventurar-se numa busca desesperada por aquilo de que mais sentem falta.

Separadas por uma distância de cinquenta anos, essas duas histórias independentes – a de Ben é contada em palavras; a de Rose, em imagens – se entrelaçam ao longo do tempo com uma fascinante simetria.

O livro conta ainda com ilustrações cinematográficas que estimulam a leitura e enriquecem a narrativa. O filme estreia no cinema dos Estados Unidos em outubro e no começo do ano que vem no Brasil.

Sobre o autor: Brian Selznick nasceu em Nova Jersey, Estados Unidos, em 1966. Formou-se na Rhode Island School of Design e trabalhou em uma livraria especializada em literatura infantil em Nova York, onde leu muitos livros. Passou então a escrever os próprios textos e ilustrá-los, começando por The Houdini Box [A caixa de Houdini], The Robot King [O rei robô] e Boy of a Thousand Faces [O garoto de mil faces]. Seu livro A invenção de Hugo Cabret se tornou um best-seller do New York Times, entrou para a prestigiosa Lista de Honra da Biblioteca Internacional da Juventude, em Munique, e recebeu a Caldecott Medal. O filme de Martin Scorsese baseado nele foi um sucesso de crítica e público, vencedor do Oscar em cinco categorias.