Diabetes diminui a eficácia da quimioterapia para câncer de mama

Glicemia alta prejudica quimioterapia
Muito açúcar no sangue pode reduzir o efeito do tamoxifeno. Manter a glicemia sob controle é ainda mais importante para aqueles que estão seguindo terapia hormonal

Níveis elevados de açúcar no sangue podem comprometer a eficácia de certas terapias utilizadas no tratamento do câncer de mama. Esta é, em síntese, a mensagem que surge de um estudo totalmente italiano apresentado dia 19 de setembro em Lisboa, no EASD, um dos mais importantes congressos mundiais dedicados ao combate à diabetes. Para conseguir isso, foi graças à contribuição da Sociedade Italiana de Diabetologia (SID), pela Dra. Maria Rosaria Ambrosio da CNR na Universidade Federico II de Nápoles.

No tratamento do câncer de mama, uma das moléculas mais comumente usadas é o tamoxifeno, um medicamento anti-hormonal (inibidor seletivo do receptor de estrogênio) utilizado no tratamento de certas formas dessa neoplasia, como aqueles com receptores de estrogênio positivos. A molécula em questão atua bloqueando a ação desses hormônios que, em certos tipos de câncer são necessários para o crescimento da neoplasia. Usado como tratamento no câncer de mama, pode ser administrado por anos após a remoção do câncer, para reduzir o risco de a doença se repetir.

Tamoxifeno, enquanto trabalha de forma otimizada, pode não ser tão eficaz em alguns casos. A razão, de acordo com o estudo italiano, é alto nível de açúcar no sangue. A pesquisa in vitro mostrou que o excesso de glicose promove a secreção pelo tecido adiposo de uma determinada molécula chamada interleucina-8. Isso, modulando uma série de fatores nas células tumorais, pode reduzir significativamente a resposta ao tamoxifeno.

O resultado de cientistas italianos confirma novamente a estreita relação entre diabetes e tumores. A diabetes tipo 2 geralmente aumenta o risco de câncer de mama em 20%, e 16-20% das mulheres com câncer de mama também têm diabetes ou tolerância à glicose prejudicada. Vários estudos também mostraram que as pessoas com diabetes têm formas tumorais mais agressivas e isso envolve um aumento da mortalidade relacionada ao tumor através de vários mecanismos. A hiperglicemia associada ao diabetes piora a resposta dos medicamentos utilizados no tratamento do câncer de mama, atuando diretamente sobre células tumorais, alterando o chamado microambiente do tumor.

“Esta é uma pesquisa importante com implicações clínicas promissoras para pacientes com câncer de mama com diabetes”, diz o professor Giorgio Sesti, presidente da SID. “O avanço do conhecimento neste campo poderia permitir futuras respostas à medicação anti-tumoral. Estou particularmente satisfeito por essa pesquisa ser apresentada em uma importante conferência internacional por um jovem pesquisador apoiado pelo SID “.