Concluída capacitação de Educação Popular em Saúde

Diálogo, amorosidade, construção compartilhada do conhecimento como forma de construir um projeto democrático e popular com foco na saúde pública. Estes são os princípios orientadores da Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde/PNEPS-SUS instituída pelo Ministério da Saúde, no dia 19 de novembro de 2013, através da Portaria Nº 2.761. Em São Leopoldo, 30 profissionais da área de saúde e lideranças comunitárias do Vale do Sinos concluíram nesta quarta-feira, 4 de outubro, o Curso de Educação Popular em Saúde (EPS).

Ao todo, foram 160h/aula divididas em quatro eixos estratégicos: Participação, Controle Social e Gestão Participativa; Cuidado em Saúde; Formação, Comunicação e Produção de Conhecimento; Intersetorialidade e Diálogos Multiculturais. O objetivo da iniciativa é promover o diálogo e a troca de práticas e saberes populares e técnico-científico, aproximando os sujeitos da gestão, dos serviços de saúde, dos movimentos sociais populares, das práticas populares de cuidado e das instituições formadoras.

Margarete Pinheiro é agente de saúde em Campo Bom e também participou da capacitação. Para ela é de fundamental importância este conceito de pertencimento a um território. “Atuo no bairro Imigrante e esta capacitação foi bem fundamental para ampliar meus conhecimentos. Assim posso compartilhar com a minha comunidade práticas indispensáveis para melhorar a qualidade de vida de usuários e usuárias do SUS”, afirmou Margarete.

Para o secretário da Saúde, Fábio Bernardo, ao reconhecer a importância de todos os saberes, o curso apresenta quais ações e práticas devem ser construídas de forma participativa, tendo como fundamento a experiência de vida dos moradores e usuários do SUS. “A qualificação reforça a estratégia da secretaria de trabalhar a prevenção. Adotamos uma forma de organização voltada para a atenção básica. Os agentes vão nos ajudar na ponta da comunidade, trabalhando com a perspectiva de entender usuários e usuárias, levando em consideração seu contexto social”, destacou.

A coordenadora estadual do curso, Ana Lúcia Maciel, destaca que as práticas e as metodologias do EPS possibilitam o encontro entre agentes de saúde e usuários e usuárias do SUS. “A formação favorece o diálogo e a troca de saberes entre as equipes de saúde e a comunidade. Com isso se constitui espaços para exercitar as práticas populares de cuidado, que são conhecimentos construídos ao longo da história”, explicou.

Política Nacional de Educação Popular em Saúde no SUS
A Política Nacional de Educação Popular em Saúde no SUS (PNEPS-SUS) foi instituída em novembro de 2013 com o objetivo de implementar a Educação Popular em Saúde no SUS, contribuindo com participação popular, controle social, formação e as práticas educativas em saúde.

Foto: Thales Ferreira