Entre Meios propõe inovação com expoentes da Arquitetura

Um evento para desafiar e incentivar alunos e docentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unoeste a discutir a formação do profissional com atuação crítica na elaboração de projetos arquitetônicos. A oficina “Entre meios: o projeto enquanto formação integradora”, realizada nos dias 9 e 10 de novembro, no Salão do Limoeiro, vem da parceria entre o curso, o Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo (Cacau) da Unicampo e a Unoeste. A ideia é um formato diferente do que se costuma ver em eventos institucionais, e para funcionar da melhor forma possível foram convidados expoentes da arquitetura no país.

Ciro Pirondi, Cristiane Muniz e Alvaro Puntoni vieram trocar experiências e oferecer capacitação aos docentes e acadêmicos do curso. Logo de cara, os participantes foram divididos em 17 equipes, cada uma contando com um professor arquiteto da Unoeste, além de um grupo contando com cinco a 20 alunos. O desafio das equipes é propor uma mudança no espaço que estudam no campus II da universidade, como explica a coordenadora do curso, Marcela do Carmo Vieira. “Esse projeto pode se tornar o local onde vão estudar no futuro. É uma nova visão sobre as diretrizes do ensino”, conta.

A professora Marcela classifica o evento como um momento de transição do curso, no sentido de evoluir pedagogicamente. “Temos 100% do corpo docente e 90% dos discentes participando. Sem contar que egressos também estão aqui”, ressalta. Para ela, é a típica atividade que estimula o aluno. “O que estamos fazendo é uma novidade, espero que daqui alguns anos o resultado mostre um curso ainda melhor e profissionais diferenciados”, afirma a coordenadora.

Um dos convidados para orientar o trabalho das equipes, o renomado arquiteto Dr. Ciro Pirondi, é diretor executivo da Fundação Oscar Niemeyer, um dos fundadores, e atual diretor da Escola da Cidade, uma referência entre as escolas de arquitetura no país. “Eventos assim são fundamentais para refletirmos sobre os caminhos a seguir na área. Temos que priorizar a qualidade do ensino humanista, o profissional precisa ter competência técnica. E para que as coisas aconteçam também é preciso vontade política”, pontua.

O Dr. Ciro enxerga Presidente Prudente com potencial para ser referência em arquitetura, por isso, sugere sinceridade de propósitos para que as coisas fluam naturalmente. “A maior crise do mundo é a educacional”, explana o arquiteto que citou alguns dos pontos da Escola da Cidade: “A Escola Itinerante proporciona que o aluno viaje pelo Brasil e América sem custo; o Seminário de Cultura é onde os alunos falam de tudo, menos arquitetura; e o estudo vertical que reúne alunos de todos os anos para atividades”, detalha.

Quem também veio para agregar conhecimento foi a Cristiane Muniz, professora da Escola da Cidade e membro da Una Arquitetos. Ela explicou que o Brasil tem mais cursos de Arquitetura do que os Estados Unidos, mas que é preciso olhar sempre para a questão da qualidade, por isso, ações como essas servem como reformulação curricular. “É o tipo de evento que desperta o lado crítico, cria inquietação. Para abrir mercado para essa grande quantidade de profissionais que se forma, é necessário pensar em usar melhor os campos de trabalho, mas é possível”, declara Cristiane.

Opinião que se relaciona com a do Dr. Alvaro Puntani, que mantém o GrupoSP desde 2004, escritório que tem se dedicado à elaboração de concurso de arquitetura e projetos. “As escolas de ensino superior precisam formar profissionais de alto nível, capazes de continuar aprendendo, se atualizando”, reitera. Puntani ressalta a troca de experiências e sugere uma solução para o paradoxo entre alta demanda de profissionais e qualidade destes. “Não se satisfazer com o que sabe, ter certeza que você sabe sempre muito pouco. Partindo disso, você vai buscar algo mais”, afirma.

Último dia – Na tarde desta sexta-feira (10), os grupos apresentaram as diretrizes projetuais e discutiram de forma coletiva as propostas, o detalhe é que não existe um vencedor, é tudo debatido. Durante a noite ocorre a “Conversa de arquiteto: um lembrete aos estudantes de arquitetura”, e em seguida o Dr. Alvaro Puntoni ministra a palestra “Da formação à atuação: o caminho da arquitetura como crítica e atuação. Afinal, formar-se arquiteto é?”.