Seminário debate saúde da população negra

Servidores da rede municipal de saúde acompanharam na manhã de segunda-feira, 13 de novembro, o seminário Política Integral de Saúde da População Negra, realizado na Escola de Gestão do Centro Administrativo. Sobre racismo como fator de desigualdade e produção de doenças, falou o funcionário aposentado e bacharel em Direito, Stênio Rodrigues. “A inferioridade econômica e social faz com que as castas se reproduzam, se retroalimentem. E nós trabalhamos com as mazelas disso”, destacou.

presidente da Associação Gaúcha de Doença Falciforme (Agafal), Neusa Carvalho, falou sobre a enfermidade que atinge a população negra. A anemia falciforme é uma doença genética e hereditária que atinge a hemoglobina, fazendo que os glóbulos vermelhos percam sua elasticidade. Nos momentos de crises, as hemácias falciformes aumentam e causam inflamações nos pés e nas mãos e febre. “É a doença genética mais comum do mundo, mas sempre foi negligenciada no Brasil. Somente em 2005 começou a fazer parte do teste do pezinho”, alertou. A Prefeitura se comprometeu em iniciar cursos de formação permanentes a partir do ano que vem para tratar do tema.

As atividades fazem parte do Mês da Consciência Negra e contam com a parceria das Faculdades EST. Além dos servidores, estiveram presentes a coordenadora do Grupo Identidades, Selenir Kronembauer, e a chefe do departamento de Igualdade Racial, Nadir Maria de Jesus.