Multinacional adquire empresa brasileira de adesivos Adecol

A H.B. Fuller Company (NYSE: FUL) finalizou a compra da empresa de adesivos brasileira, Adecol Ind. Química, Ltda. A atratividade de longo prazo e a importância estratégica do mercado brasileiro, acrescidas do evidente potencial da Adecol, levaram a multinacional H.B. Fuller a investir na compra, parte de um plano maior de expansão global e que inclui solidificar e expandir sua presença nos principais mercados emergentes.

A H.B. Fuller Company (Bolsa de Valores de Nova York – NYSE: FUL) finalizou sua compra da empresa de adesivos, Adecol Ind. Química, Ltda, fabricante altamente respeitada em tecnologias de adesivos de qualidade no Brasil. A aquisição apoia o plano estratégico de crescimento da empresa nos mercados emergentes. As estimativas do consumo mundial de adesivos em 2014 giraram em torno de US$ 40 bilhões, devendo alcançar os US$ 45 bilhões em 2019. Várias fontes ao redor do mundo indicam um crescimento anual na ordem de 3% a 5% até 2019.

“Com esta aquisição, ganhamos uma equipe dedicada com sólidos relacionamentos com clientes e recursos locais de fabricação”, disse Jim Owens, presidente e CEO da H.B. Fuller. “Trabalharemos de perto com a equipe da Adecol para um aumento ainda maior das parcerias com clientes regionais, além do desenvolvimento, produção e venda de novos e melhores produtos nessa região estrategicamente importante.”

A H.B. Fuller é uma das maiores empresas a operar na indústria de adesivos e vedantes atualmente, com geração de US$ 2,1 bilhões de receita líquida no ano fiscal de 2016. O mercado brasileiro de adesivos que fechou 2015 com um volume de negócios total de R$ 2,6 bilhões, segundo a Abiquim, é composto de um mix de produtores independentes de pequeno e médio porte, além de vários players multinacionais de grande porte. Com um mix de investimentos diretos em infraestrutura e aquisições estratégicas, espera-se que as multinacionais, em especial, venham a deter a grande maioria das ações do mercado, além de se estabelecerem na América Latina, acompanhando as economias de toda a região, que se diversificam e crescem.

“As empresas (H.B. Fuller e Adecol) combinadas aumentam o valor que proporcionamos aos clientes, uma vez que conseguiremos fornecer uma maior variedade de soluções aos nossos clientes, incluindo uma linha de produtos mais ampla, menores tempos de serviço e mais apoio do clientes”, disse Owens. Com sede em Guarulhos, a Adecol ajuda na estratégia de crescimento da H.B. Fuller para mercados emergentes, uma vez que permitirá que a empresa alavanque integralmente seu abrangente portfólio em termos de tecnologias e forneça com mais eficácia produtos adesivos especiais aos clientes-chave na região do Mercosul.

Sempre presentes, embora raramente em destaque, os adesivos são usados em praticamente todas as indústrias e produtos. Em algumas indústrias, eles são amplamente utilizados. Um exemplo é a indústria automobilística, em que é fundamental a redução do peso para promover a autonomia de combustível. Além disso, os adesivos se tornaram parte integrante dos projetos dos veículos modernos, viabilizando a melhor aerodinâmica e a resistência estrutural por meio da substituição de fixadores e soldagens mecânicas. Nas indústrias em que a adoção de novas tecnologias de adesivos constitui um importante facilitador de mudanças e de aprimoramentos funcionais, como as comunicações móveis e a microeletrônica, os adesivos avançados têm se mostrado fundamentais para o desenvolvimento e comercialização de produtos mais finos, elegantes, multifuncionais e extremamente duráveis.

Os produtos desenvolvidos e fornecidos pela indústria de adesivos e vedantes têm ampla aplicação em muitas outras indústrias, incluindo a etiquetagem de contêineres, vedação de caixas e cartão, criação e construção, produtos de couro e sapatos, artigos de higiene descartáveis, fitas adesivas, artes gráficas,painéis solares, eletrodomésticos e muitas outras. Por essa razão, embora raramente esteja sob os holofotes, os materiais adesivos têm altíssima relevância econômica e social.