Dermatologista explica como se proteger dos raios solares e das micoses

Dia 21 de dezembro começa oficialmente o verão, época com maior incidência de raios solares e que, por isso, exige uma série de cuidados específicos com a pele para protegê-la do Sol e de outros males que o calor pode causar. “Indispensável em todas as estações, o protetor solar é ainda mais necessário no verão. Todas as cores de pele precisam se proteger do Sol. Os negros têm uma proteção a mais que é a maior quantidade de melanina, porém não podem se esquecer da fotoproteção, pois também estão sujeitos a queimaduras, câncer de pele, entre outros problemas”, alerta a dermatologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Dra. Anna Paula Molinari Nardi.

A profissional explica que o recomendado é utilizar filtros solares com no mínimo 30 de FPS e com barreira de proteção aos raios UVA. “É importante aplicá-lo no mínimo 15 minutos antes da exposição solar e reaplica-lo a cada duas horas ou após um longo período no mar ou piscina ou se houver transpiração excessiva”, indica. Se há dúvidas sobre a quantidade correta de aplicação dos protetores solares, Dra. Anna Paula dá a dica da colher de chá. “Tente se basear na quantidade de uma colher de chá. No rosto, cabeça, pescoço e braços pode se aplicar uma colher de chá do produto, já no tronco na frente e atrás, além das pernas, o ideal são duas colheres de chá”. Para o couro cabeludo ou regiões com muita quantidade de pelo, a melhor opção são os protetores solares que se aplicam com spray.

Outras recomendações para evitar os prejuízos do Sol são utilizar roupas claras e leves, chapéus ou bonés e óculos escuros. Também é aconselhável evitar exposição solar entre 10h e 16h e manter-se sempre hidratado via oral com água, sucos naturais e água de coco e via cremes de hidratação corporal. Caso não haja prevenção ao Sol, vários problemas de pele podem aparecer, como brotoejas, manchas e sardas brancas, acne solar, rugas e câncer de pele.

Se houver queimaduras solares, a dermatologista orienta a procurar um médico para que ele possa avaliar o grau, extensão e estado geral do paciente. “Existem muitos tratamentos para queimaduras, como cremes calmantes e refrescantes (calamina, cânfora, mentol e aloe vera), hidratação oral, hidratação tópica corporal, analgésicos, corticoides e placa de silicone. Porém, só as medicações não bastam. É preciso evitar puxar as pelinhas que estão descascando para que a área lesionada se recupere naturalmente e não deixe marcas”, comenta a dermatologista.

Quem sofre ainda mais com o verão são as pessoas de pele oleosa. Para controlar o suor e a oleosidade, a especialista diz que é importante ingerir bastante líquido, usar protetor solar indicado ao tipo de pele, como os com base aquosa ou em gel, e sempre lavar o rosto com sabonete adequado.

Outra doença de pele pela qual é necessário redobrar os cuidados no verão é a micose. “Para evitar a micose, é preciso secar-se bem após o banho, principalmente nas áreas de dobras da pele. Também é importante evitar andar descalço em pisos constantemente úmidos, como chuveiro e decks de piscina, e, se possível, evitar calçados fechados”, finaliza Dra. Anna Paula.