Saúde

Tumor na hipófise: alterações visuais e dor de cabeça estão entre os sintomas

Localizada na base do cérebro, a hipófise é uma glândula do tamanho de uma ervilha, mas que tem um papel muito importante no corpo humano. Além de ter a função de regular o trabalho de outras glândulas, como a tireoide, ela também é responsável pela produção de vários hormônios, como o do crescimento, por exemplo. Por isso, alterações em seu funcionamento podem causar sérios problemas de saúde. Uma das condições mais recorrentes são os tumores hipofisários, que afetam cerca de 16,7% da população em geral. Do total dos tumores cerebrais, este tipo de condição representa de 10 a 15% dos casos. Os adenomas hipofisários surgem quando há crescimento anormal das células da hipófise. Segundo o neurocirurgião, Dr. Iuri Weinmann, do Centro Neurológico Weinmann, os tumores na hipófise são um desafio, pois o crescimento é lento e as manifestações clínicas costumam ser tardias e muito diversificadas.

Tumor pode secretar hormônios em excesso
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), há três tipos de tumores de hipófise: adenomas típicos, atípicos e carcinomas. “Um adenoma é um tumor formado por células glandulares, portanto, pode secretar hormônios. Quando isso acontece chamamos de adenoma clinicamente funcionante. Mas, há tumores que não secretam hormônios e são chamados de clinicamente não funcionantes”, explica Dr. Iuri.
Aproximadamente 75% dos tumores diagnosticados são adenomas funcionantes que levam a uma secreção elevada dos hormônios produzidos na hipófise. O mais prevalente é o prolactinoma, que representa de 40 a 60% dos casos dos tumores funcionantes e em 89% dos casos afeta mulheres. Os adenomas atípicos são aqueles com características sugestivas de comportamento agressivo, inclusive com força para invadir outras estruturas e se espalhar. O carcinoma de hipófise gera metástases. Felizmente, a maioria dos tumores de hipófise é benigna.

Sintomas variados
Os tumores que não secretam hormônios são os mais difíceis de serem diagnosticados. Isso porque o diagnóstico vai depender dos efeitos provocados pelo seu crescimento nas estruturas vizinhas do sistema nervoso central. “Nestes casos, há alterações visuais causadas pela compressão do nervo óptico e dor de cabeça pela compressão da dura-máter. Lembrando que estes sintomas podem também se manifestar nos tumores funcionantes, em conjunto com os sintomas decorrentes da hiperprodução dos hormônios da hipófise”, comenta Dr. Iuri.

Nos prolactinomas (tumores que secretam prolactina), por exemplo, há produção e secreção de leite (galactorreia), ausência de fluxo menstrual (amenorreia), infertilidade, diminuição da libido, ganho de peso, entre outros sintomas. Nos corticotropinomas (tumores que secretam cortisol), há obesidade, fragilidade capital, face de lua cheia, estrias, hirsutismo (excesso de pelo em regiões específicas do corpo), entre outros.

Cirurgia pode remover o tumor pelas narinas
Após o diagnóstico, o médico poderá tratar o tumor com medicamentos e/ou cirurgia. Segundo Dr. Iuri, a cirurgia é indicada na maioria dos casos, principalmente quando os tumores são grandes e comprimem regiões do sistema nervoso central. Atualmente, graças ao avanço das técnicas cirúrgicas, já é possível retirar os tumores da hipófise por meio da neuroendoscopia. “Trata-se de uma técnica minimamente invasiva em que o endoscópio é introduzido pelas narinas do paciente, evitando incisões no crânio.”, explica Dr. Iuri, especialista neste tipo de procedimento. Entre as vantagens da neuroendoscopia estão menor tempo de cirurgia, menor tempo de internação, recuperação mais rápida se comparada com a cirurgia convencional, assim como diminuição de riscos durante o procedimento devido a menor agressão das estruturas cerebrais durante a cirurgia.

Tags
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios