RS

Mais biodiesel adicionado ao diesel é oportunidade para agricultura familiar no RS

Em março de 2018, a lei do biodiesel avançou mais uma etapa. A partir de agora, passa a valer a obrigatoriedade da porcentagem de 10% de biodiesel misturado ao óleo diesel dos postos de combustível brasileiros. A Lei nº 13.033, de 24 de setembro de 2014, em vigor desde 2016, prevê aumento gradual da quantidade de combustíveis não fosseis adicionados ao óleo diesel comum até 2019.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), esse aumento de porcentagem deve elevar a demanda por biodiesel em 30%. Uma boa notícia para os sojicultores, já que, atualmente, ainda segundo a Associação, 80% da bioenergia produzida no país provém da soja. Leocir Bocchi, diretor da Bocchi Agrobios, espera que o aumento do consumo de biodiesel gere um aumento de 20 a 25% na demanda por óleo de soja. A empresa, que além de possuir usina de biodiesel, possui indústria de extração de óleo de soja e é um grande distribuidor de insumos agrícolas, situada na região de Lagoa Vermelha-RS, possui capacidade de produção de 300 mil litros por dia de biodiesel, e cerca de 40% da soja que recebe é originária da agricultura familiar. “Muitos agricultores são produtores do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) e boa parte da nossa negociação é feita por meio de barter, a troca de soja por insumos”, comenta. O aumento da demanda por biodiesel irá atingir de forma positiva esses pequenos produtores, que terão seu produto valorizado.

Para apoiá-los a suprir essa demanda, além de insumos, a Bocchi fornece consultoria técnica e facilita o acesso desses agricultores ao Programa de Pontos da Bayer, onde, ao adquirir produtos essenciais ao manejo da lavoura, eles têm a oportunidade de cadastrar seus cupons fiscais, acumular e trocar a pontuação por produtos e serviços que irão melhorar a sua produtividade e a gestão dos negócios no campo.