DestaqueSerra Gaúcha

Drauzio Varella fará palestra na Universidade de Caxias do Sul

A coordenadora do Laboratório, doutora Rosa Dea Sperhacke (ao centro) lidera equipe multidisciplinar

Em 15 anos de atividades, o Laboratório de Pesquisa em HIV/Aids da Universidade de Caxias do Sul já realizou 23 projetos de pesquisa, em parceria com universidades, institutos, hospitais e centros de referência, e financiamento de agências de fomento à investigação científica, do país e do Exterior. Suas ações atingiram diretamente 87 mil pessoas e estão registradas em 21 artigos científicos e 43 resumos em anais de congressos nacionais e internacionais. A expertise de seus pesquisadores também colaborou para a elaboração de 3 portarias e 5 manuais técnicos publicados pelo Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Para comemorar essa trajetória que o colocou como centro de referência em Pesquisa em HIV/Aids, será realizado nos dias 24 e 25 de agosto, no UCS Teatro, o Simpósio 15 anos de Pesquisa em HIV/Aids no Brasil e no Mundo, que terá na sessão de abertura, na noite do dia 24, a participação do médico oncologista Drauzio Varella e, durante o dia 25, palestras com pesquisadores renomados do Brasil e do Exterior, além das principais autoridades em HIV/Aids do Ministério da Saúde, entre eles, a Dra. Adele Benzaken, coordenadora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, do Ministério da Saúde e o Dr. Charles D. Mitchell, professor do departamento de Pediatria da Universidade de Miami, com forte atuação em pesquisas, em nível mundial, relacionadas com a pandemia global de HIV-1 entre as mães e seus bebês.

Publicidade
Fotos: Claudia Velho

Com entrada franca, o Simpósio teve suas inscrições esgotadas, logo nos primeiros dias de divulgação. No entanto, para a palestra de abertura com o médico Drauzio Varella, além do UCS Teatro, haverá transmissão em uma das salas do Bloco M, com capacidade para cem pessoas.

Geração de conhecimento qualificado

A coordenadora do Laboratório, doutora Rosa Dea Sperhacke, explica que a criação do Laboratório se deu a partir da obtenção de apoio e recursos financeiros de programas do governo norte-americano para o desenvolvimento de centros de pesquisa internacionais na área do HIV/Aids. A constante preocupação com a capacitação da equipe técnico-administrativa, a busca de colaborações científicas com instituições nacionais e internacionais e a necessidade de buscar soluções práticas e viáveis para o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids nortearam o início das atividades do Laboratório.

O acompanhamento de mulheres portadoras de HIV e seus filhos com objetivo de avaliar os efeitos da terapia antirretrovial por um período de até 5 anos, o diagnóstico da infecção pelo HIV utilizando a metodologia de papel-filtro, o estudo da epidemia do subtipo C do HIV-1, o diagnóstico de infecções agudas e recentes do HIV-1 empregando métodos laboratoriais, a validação de testes rápidos para o diagnóstico da infecção pelo HIV, a prevalência da depressão perinatal e fatores associados nos períodos de ante-parto e pós-parto entre mulheres portadoras do HIV e a condução de estudos para avaliar a prevalência da infecção pelo HIV, sífilis e hepatites em mulheres e homens em idade reprodutiva são os projetos de pesquisa que obtiveram maior destaque nestes 15 anos de atividades do Laboratório.

Publicidade

Equipe multidisciplinar

Coordenando uma equipe multidisciplinar de pesquisadores das áreas da Farmácia, Enfermagem, Estatística e Administração, com o apoio dos professores e pesquisadores dos cursos de Medicina, Psicologia, Farmácia, Enfermagem, Educação Física, Engenharia e Biologia, Rosa Dea acredita que o Simpósio, do qual participam personalidades da área científica e da área da gestão da saúde, é uma forma de prestar contas à sociedade do compromisso da Universidade e de todos os que atuam no Laboratório para  desenvolver pesquisa clínica e disponibilizar serviços na área de doenças infecciosas, através da geração de conhecimento e da busca pela excelência em tecnologias em saúde, contribuindo para o bem-estar da sociedade.

“Nós entendemos que a dinâmica do HIV/Aids ultrapassa a simples percepção de suas taxas epidemiológicas. Ela engloba as inter-relações entre as condições de vida, as práticas sociais e as políticas instituídas, e tudo mais que os avanços científicos e tecnológicos proporcionam ao portador do HIV. A doença passou a ser uma condição crônica e potencialmente controlável e essa realidade nos impõe, cada vez mais, a necessidade de assimilar e planejar ações que possam responder satisfatoriamente aos desafios de manejo da doença, atuando em sintonia com as nossas instituições parceiras. Nossa equipe mantém-se firme no compromisso de fazer o Laboratório crescer, com competência, inovação e multidisciplinaridade, possibilitando novas parcerias e uma efetiva contribuição na busca de soluções no combate da epidemia”.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar