Cães e gatos alertam para câncer de mama nos pets

Prevenção do câncer de mama em cachorros e gatos também é destaque de uma campanha realizada pela Pet Model Brasil – agência de modelos pets presente no mercado nacional.

Para alertar tutores sobre a importância da prevenção do câncer de mama em cachorros e gatos, a agência preparou uma galeria de fotos com os pets e faz um alerta. “A doença é tão presente em cães e gatos quanto nos humanos”, explica a médica veterinária parceira da Pet Model Brasil, Dra. Carolina Rodriguez.

Em homenagem ao Outubro Rosa, a Pet Model Brasil preparou a campanha para conscientizar os tutores sobre a importância do diagnóstico precoce da doença. Além disso, separou algumas informações importantes que vão ajudar na prevenção: Confira:

Você Sabia?

– O câncer de mama não surge apenas em cadelas! Mesmo que as fêmeas sejam as principais atingidas, os cachorrinhos machos também podem sofrer com a doença.

– A doença surge, com mais frequência, em cachorros de 7 a 12 anos. “É importante ficar atento aos sintomas em qualquer idade, pois existem casos de cadelas com menos de dois anos que sofreram com a doença”, alerta a veterinária.

– O câncer atinge principalmente as cadelas de raça pura, enquanto a miscigenação presente nos cães sem raça definida diminui a chance de desenvolver a doença.

– A castração pode reduzir o risco de desenvolver câncer para até 0,5%. “Castrar é um ato de amor! Além de diminuir o grande número de animais abandonados, diminui muito o risco de câncer de mama e de suas consequências”, afirma Dra. Carolina Rodriguez.

– É mito que se deve cruzar o cachorro caso não seja castrado. Estudos provam que não existe correlação da procriação com a diminuição da incidência do câncer de mama.

“Considerando que os hormônios sexuais aumentam o fator de risco, o cio acaba estimulando. Então, enquanto as cadelas tem um cio a cada seis meses em média, as gatas têm o cio estimulado pela presença do macho, ou seja, com muito mais frequência, aumentando seu risco. Quanto mais vezes ela entrar no cio, maior o risco. Por isso o aparecimento é mais comuns em cadelas e gatas a partir dos 9 anos de idade”, explica Dra. Carolina sobre a diferença da doença nos pets.

Prevenções contra a doença

Prevenir é sempre a melhor opção quando se tem um animal de estimação em casa. Abaixo, conheça algumas dicas para ajudar a cuidar do seu bichinho:

Castração Precoce: Castrar o animal é sinônimo de redução nas chances de desenvolvimento da doença. Por isso, o quanto antes o tutor decidir pela castração melhor será para o animal.

Exames em casa: Esteja sempre atento. A maioria dos animais gosta de receber carinho na barriga.  Este momento é bom para examinar cada mama (10 nas cadelas e de 8 a 10 nas gatas) e sentindo qualquer alteração, procure imediatamente seu veterinário de confiança.

Anticoncepcionais: Não caia em recomendações que só vão prejudicar o pet. “É extremamente perigoso submeter pets, como cães e gatos, a tratamentos com bombas de hormônio”, explica Dra. Carolina.

Primeiros indícios e tratamento

Os animais, quando estão com alguma doença, ficam acima de tudo quietos. Fique de olhos nos seguintes sintomas: caroços, inchaços na mama e ao redor, desconforto abdominal, cheiro forte e desagradável nas secreções, perda de apetite, vômito e febre.

Normalmente, o tratamento para o câncer de mama é a remoção cirúrgica da mama afetada ou de toda a cadeia de mamas, como prevenção ou consequência de metástases. Posteriormente à cirurgia, de acordo com o tipo de câncer, pode ser necessário realizar quimioterapia e/ou radioterapia.

“Com o avanço da oncologia veterinária, hoje a chance de cura é muito alta, principalmente se for diagnosticado em estágio inicial”, explica Dra. Carolina.