Efeito do horário de verão nas empresas

O horário de verão começou neste domingo (15) em dez estados e no Distrito Federal. Pela primeira vez, foram pesquisados os efeitos da mudança do relógio na saúde dos brasileiros. Três cientistas americanos ganharam o Prêmio Nobel de Medicina por provar cientificamente que existem sim pessoas diurnas e outras noturnas, e que isso é uma questão genética. Ainda de acordo com a descoberta, esse nosso “relógio biológico” está está intimamente ligado à nossa saúde e bem-estar, o que ajuda a entender o porque parte da população se sente mal no horário de verão.  Os efeitos sentidos podem ser desde dor de cabeça, sonolência excessiva durante o dia, insônia durante a noite, disfunções gástricas, entre outros problemas de saúde.

Além da saúde, essa questão do “relógio interno” afeta muito a produtividade das pessoas. Funcionários que viajam muito, por exemplo, são tipicamente os que mais sofrem com mudanças nos horários. Mas mesmo aqueles que não viajam podem sentir seus efeitos. Por isso algumas empresas e startups decidiram por ajustar-se ao relógio biológico de seus colaboradores e permitir a flexibilidade de horários.

Dentre as organizações que trabalham dessa forma, há a Cobli. A Startup – especializada em rastreamento, telemetria e gestão de frotas – além de permitir que os funcionários trabalhem no horários que se sentem melhor e mais produtivos, possui espaços, como eles mesmo chamam, de “descompressão”: 1 sala de videogame, 1 sala de descanso e leitura – com biblioteca – e espaço com mini-golfe.

Pensando no momento atual, onde as pessoas estão começando a tentar se adaptar ao horário de verão, gostaria de sugerir uma pauta abordando a importância da flexibilização de horários no trabalho e quanto o empresas que utilizam isso contribuem para a saúde dos funcionários e possuem equipes mais produtivas.