Ospa e Coro Sinfônico homenageiam 500 anos da Reforma Luterana

Para comemorar os 500 anos da Reforma Luterana, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) apresenta concerto especial nesta terça-feira (31). Sob a batuta do maestro Manfredo Schmiedt, os músicos interpretam a Sinfonia nº 2 (Lobgesang), também conhecida como Sinfonia Cantata ou Cântico de Louvor, de Felix Mendelssohn (1809-1847), um dos maiores compositores românticos alemães. Parte da Série UFRGS, o evento acontece às 20h30, no Salão de Atos da universidade. Os ingressos custam R$ 30 no dia do evento, na bilheteria local.

Mais de 120 cantores, entre o Coro Sinfônico da Ospa, o Coro Universitário da Ulbra e o Grupo Cantabile, sobem ao palco. Os solos ficam a cargo dos gaúchos Elisa Machado (soprano), Paola Leonetti (soprano) e Maicon Cassânego (tenor). O concerto é uma parceria com a Igreja Luterana do Brasil e acontece exatamente no dia que marca os 500 anos da Reforma.

Sobre o concerto

Considerado um artista prodígio, Mendelssohn foi compositor, pianista, organista, regente e pintor. Começou seus estudos musicais aos sete anos de idade. Aos nove, teria realizado as primeiras apresentações e, aos treze, escrito e publicado as suas primeiras obras. A Sinfonia n.º 2 teve sua estreia em 1840 na Igreja São Tomás, em Leipzig. Na obra, Mendelssohn fundiu elementos da música secular e da música sacra, conservando características da sinfonia e da cantata.

A peça foi composta entre 1838 e 1840 para festejar quatro séculos da invenção da imprensa por Gutenberg. “Por volta de 1440, Gutenberg tinha desenvolvido a técnica de impressão de livros através de tipos móveis e, de sua produção, destaca-se  a primeira impressão da Bíblia traduzida para o alemão, que foi fundamental para a Reforma de Martinho Lutero. Dentre os vários textos bíblicos selecionados por Mendelssohn, na produção desta Cantata-Sinfônica, o Salmo 150 é o mais emblemático, pois aparece em diversos pontos da obra”, afirma o maestro Manfredo Schmiedt.

O compositor germânico inspirou-se na 9º sinfonia de Beethoven, uma obra igualmente monumental, para escrever a peça. Manfredo conta que a obra é dividida em duas partes: “A primeira parte, composta somente para a orquestra sinfônica, prepara o ouvinte para a imponência musical da segunda parte, com a participação dos coros e solistas. A utilização das diversas ‘forças’ vocais e orquestrais, solos, duetos, coros polifônicos e homofônicos são muito bem arquitetados por Mendelssohn para que o texto bíblico possa ser expresso da melhor maneira possível”.

Os ingressos custam R$ 30, com 50% de desconto para estudantes e seniores. Podem ser adquiridos no dia do evento, na bilheteria do Salão de Atos da UFRGS, a partir das 11h.

Mais informações no site da Ospa ou pelo telefone (51) 32227387.