Brasil

Novos softwares comprovam a preservação ambiental no Brasil

plataforma virtual ABC – Agricultura de Baixo Carbono –, que monitora as emissões de gases de efeito estufa –, e a plataforma Webambiente, com soluções tecnológicas e serviços para fazer cumprir o Código Florestal brasileiro foram lançadas nesta quarta-feira (28), em Brasília. As duas ferramentas foram desenvolvidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ministério do Meio Ambiente. Em seu discurso, o ministro Blairo Maggi disse que “o Brasil está muito à frente dos demais países na questão da preservação ambiental. Essas duas ferramentas comprovam o que está acontecendo nas propriedades rurais”. Maggi explicou que agora será possível responder de forma inequívoca aos questionamentos sobre as ações do Brasil no desenvolvimento de uma agricultura sustentável.

A Plataforma ABC é mais uma ferramenta digital a ser utilizada pelo Governo Federal na execução da Política Nacional sobre Mudanças do Clima (PNMC) e do Plano Setorial para Consolidação de uma economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC), lançado em 2010.

A Plataforma WebAmbiente, via internet, agrega informações sobre os biomas brasileiros classificados em módulos de cadastro de áreas, diagnóstico interativo, espécies nativas indicadas e seu potencial econômico, técnicas e modelos disponíveis (viveiros, mudas, cursos) análise de custos e biblioteca digital.

As duas plataformas são consideradas fundamentais para viabilizar o Plano ABC e o Novo Código Florestal, assim como cumprir os compromissos assumidos na 15ª Conferência das Partes (COP-15), realizada em dezembro de 2009, em Copenhague, e, posteriormente, na 21ª Conferência do Clima (COP-21), em dezembro de 2015, em Paris.

A nova plataforma e o Plano ABC

O presidente da Embrapa, Maurício Lopes, explicou que não se faz pesquisa in loco nas propriedades rurais de um país gigantesco como o Brasil, já que existem métodos científicos por amostragem que podem modelar e calcular os impactos do Plano ABC. “A plataforma ABC identificará regiões do Brasil que são representativas das diferentes condições de produção”, afirmou Lopes. “Levantará os dados e fará uma modelagem para o Brasil todo e assim, em 2020, estaremos plenamente aptos para mostrar em qualquer ambiente internacional os impactos reais da política pública do chamado plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC).

A plataforma já estava prevista na formulação original do plano ABC, com a estruturação de uma rede de laboratórios iniciada em 2013 e concluída em 2016. “Estamos lançando agora a governança”, explicou o presidente da Embrapa, “porque essa é uma plataforma que envolve muitas instituições trabalhando de forma integrada e, desde agora, até 2020, teremos de levantar dados e informações que demonstrem o impacto do plano ABC. Ao longo desses anos, o Brasil aplicou recursos, estimulou os nossos produtores a incorporarem tecnologias como a integração lavoura-pecuária, lavoura-pecuária-floresta e fixação biológica de nitrogênio. Agora nós temos que demonstrar que essas tecnologias aplicadas produziram ganho na redução da emissão de carbono e tornaram nossa agricultura mais sustentável.”

Webambiente e as propriedades rurais

A plataforma Webambiente já está acessível nos sites do Ministério do Meio Ambiente e da Embrapa. Segundo Juliana Ferreira Simões, Secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, a Webambiente é muito fácil de usar e serve para apoiar o produtor na recomposição e recuperação de locais degradados de reserva legal e de Área de Proteção Permanente (APP). “A plataforma”, disse Simões, “informa como o produtor rural pode trabalhar a área para fazer reconstrução, sugere as melhores tecnologias e também indica as melhores e mais adequadas espécies para recomposição da reserva legal e da APP”.

Artigos relacionados