RS

Coffee de Verão sobre Direito do Trabalho abre as atividades da OAB São Leopoldo em 2018

Em um agradável clima de final de tarde, a OAB São Leopoldo inovou, recepcionando a advocacia leopoldense e de Portão em um evento que discutiu a Reforma Trabalhista e os rumos do Direito do Trabalho nos primeiros meses de vigência da Lei 13.467/2017. O Coffee de Verão sobre Direito do Trabalho aconteceu na última segunda-feira (5), no Cecrei, trazendo para um debate a juíza do Trabalho e diretora do Foro Trabalhista de São Leopoldo, Cristina Bastiani; o juiz do Trabalho e Presidente da AMATRA IV, Rodrigo Trindade de Souza, e os advogados trabalhistas e professores da UNISINOS, Éverson Camargo e Guilherme Wünsch.

Com a mediação da presidente da OAB/SL, Rita Pavoni, o evento teve início com a sua saudação, que agradeceu os cerca de 140 colegas que compareceram à atividade. “A participação maciça da advocacia neste primeiro encontro demonstra o tamanho do desafio que representa a Reforma Trabalhista, tanto para os advogados como para o judiciário, por isso, propusemos esse encontro”, destacou a presidente da subseção. “Os limites da terceirização” causou polêmica já no início do debate, com a exposição do juiz Rodrigo Trindade, que ressaltou a precarização das relações trabalhistas dentro de um ambiente terceirizado.

Após, o tema “Dano moral”, com o professor Guilherme Wünsch, apresentou as incongruências constantes na Reforma Trabalhista nesta área. Na sequência, a mediadora questionou à juíza Cristina Bastiani sobre o acesso à justiça e os novos critérios de concessão da gratuidade, ao que a debatedora explicitou os novos ditames da Reforma Trabalhista. Fechando a primeira rodada de debates, o professor Everson Camargo explanou sobre os limites do negociado sobre o legislado, e demonstrou que a nova legislação não tem o condão de afastar direitos constitucionalmente protegidos dos trabalhadores.

Na rodada final, Rodrigo Trindade refletiu sobre o papel dos sindicatos na nova ordem estabelecida pela reforma. Em seguida, Guilherme Wünsch trouxe as inovações da lei, no que se refere à extinção dos contratos de trabalho, relacionando com o tema “contrato intermitente”, apresentado pela diretora do Foro, Cristina Bastiani. Por fim, fechando o debate, Everson Camargo debateu a efetividade da execução e o grupo econômico na Reforma Trabalhista. Encerrando, os colegas propuseram questões práticas aos debatedores, que interagiram com os participantes, respondendo aos questionamentos.

Tags

Artigos relacionados

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios