Brasil

Defensoria Pública de SP solta jovem preso por furtar duas barras de chocolate

Publicidade

Um jovem detido sob acusação de ter furtado duas barras de chocolate no valor total de R$ 31 ficou preso por oito dias por não dispor do valor estipulado pela Justiça para o pagamento de fiança. Após habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública de SP, foi reconhecida a irrazoabilidade da medida e determinada sua soltura sem a necessidade do pagamento de fiança.
O rapaz foi preso em flagrante e levado a audiência de custódia, na qual o juiz arbitrou que ele respondesse ao processo em liberdade mediante pagamento de fiança no valor de R$ 477, o equivalente a meio salário mínimo. Como não dispunha do valor, o jovem foi recolhido à prisão.

A Defensoria impetrou habeas corpus com pedido de liminar, mas o desembargador do plantão judiciário do Tribunal de Justiça (TJSP) negou o pedido. O Defensor recorreu então ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), que também não reconheceu o pleito. No entanto, o Relator Desembargador Newton Neves, da 16ª Câmara de Direito Criminal do TJSP, reconsiderou a decisão. Participaram da ação os Defensores Públicos Pietro da Silva Estabile e Fabio Mantovan dos Santos.
No habeas corpus, a Defensoria Pública solicitou a aplicação do princípio da insignificância para pedir a soltura do jovem. “Conforme a melhor jurisprudência, o princípio da insignificância é o meio correto para a descriminalização de condutas que, embora formalmente típicas, não afetem de forma relevante os bens jurídicos protegidos pelo Direito Penal”, afirmou o defensor.
“O fato de se manter alguém preso pela causa declarada de ser ele pobre é simplesmente inadmissível num Estado que se diz Democrático de Direito”, diz o pedido de habeas. “No caso presente, o Poder Judiciário já reconheceu que a prisão cautelar é desnecessária (pois a fixação da fiança é incompatível com a prisão preventiva) e, não obstante, simplesmente pelo fator financeiro, o paciente permanece preso”, arrematou.

Em sua decisão, proferida em 1°/02, o relator considerou “patente a ilegalidade da condição imposta, por afrontar o disposto no art. 350, do Código de Processo Penal”. Desta forma, ordenou a expedição imediata do alvará de soltura. “A concessão da liberdade provisória com fiança, no caso em apreço, traduz medida desarrazoada e, inexistindo provas que afastem a alegada situação financeira do paciente, deve-se ter por verdadeiras as declarações prestadas”, sentenciou.

Posts relacionados

Botão Voltar ao topo