DestaquePorto AlegreRio Grande do SulSerra Gaúcha

Projeto contra poluição instala 45 pontos de coleta de lâmpadas fluorescentes

A Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) divulgou, nesta segunda-feira (11), uma lista com 45 pontos de recolhimento de lâmpadas fluorescentes. Desenvolvida em parceria com a Fecomércio, a iniciativa faz parte de um programa de reciclagem dos produtos. O projeto consiste na definição de pontos de coleta e na destinação ambientalmente correta dos utensílios, com o intuito de evitar a contaminação do meio ambiente.
Do total, 14 pontos estão localizados em Porto Alegre. Outros 23 ficam em Caxias do Sul. Canoas tem 4, Viamão 3 e Pelotas 1. “As cidades classificadas como polos regionais receberão, num primeiro momento, as lâmpadas inservíveis produzidas das cidades do entorno”, explica o assessor técnico da Sema, Luiz Nascimento.

Na compra de uma nova lâmpada em qualquer um dos pontos de recolhimento, é possível entregar a lâmpada inservível. “O comerciante fica responsável por encaminhar o produto à destruição técnica e ambientalmente adequada”, acrescenta Nascimento. Com os pontos já existentes, de setembro do ano passado ao final de abril, foram recolhidas mais de 10 toneladas de lâmpadas.

Antigamente, as peças eram descartadas no lixo comum, trituradas pelos caminhões e levadas aos aterros para disposição final. Contudo, é sabido hoje que elas devem ser coletadas e transportadas inteiras. Ao serem quebradas, as lâmpadas espalham gás mercúrio na atmosfera e, através das chuvas, contaminam os rios, solos e alimentos consumidos pelos gaúchos. O destino final deve ser uma planta industrial devidamente licenciada para a atividade. Lá, o material é destruído, o gás é filtrado, e o vidro e o alumínio –  depois de descontaminados – são reaproveitados.

Coleta no interior

A Sema oferece apoio técnico às prefeituras interessadas em receber orientações operacionais sobre a logística reversa de lâmpadas fluorescentes. O objetivo da pasta é aumentar o número de municípios com o serviço no Rio Grande do Sul. A previsão é, até o final de 2018, ampliar a quantidade de estabelecimentos cadastrados. Em alguns casos, a prefeitura reuniu o comércio local e encontrou soluções para o recolhimento. Segundo Nascimento, outras cidades estão com ações semelhantes em fase de implantação. Estima-se que mais de 50 já estejam realizando o trabalho. Confira os pontos de coleta.

Posts relacionados

Botão Voltar ao topo