Porto AlegreRio Grande do Sul

Ospa se apresenta sob a batuta de maestro uruguaio

Em seu próximo concerto da Série Pablo Komlós, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) revisita obras de dois grandes compositores da tradição da música de concerto. Hoje (6), os instrumentistas interpretam a abertura de “Fidelio” e a “Sinfonia nº 6 em Fá Maior, Op. 68 – Pastoral” de Beethoven, além do “Concerto nº 2 em Dó menor, Op.18” de Rachmaninoff.

Publicidade
Pela primeira vez à frente da sinfônica, o jovem maestro uruguaio Martín Jorge, considerado um dos mais versáteis regentes de sua geração, rege o programa. Os solos da noite ficam a cargo do pianista brasileiro Pablo Gusmão. A apresentação tem início às 17h na Casa da Música da Ospa.
O repertório inicia com “Fidelio, Op. 72c: Abertura” de Beethoven (1771-1827). Elaborada durante a primeira década do século 19, período de intensa atividade criativa para o compositor, a peça é a quarta das aberturas criadas para a sua única ópera: “Fidelio”. Ao contrário das outras três, a versão final introduz a obra sem apresentar o seu conteúdo musical, não antecipando a surpresa da trama. Reconhecida como a abertura oficial da ópera, ganhou as salas de concerto por ser a mais peça mais coesa e festiva do conjunto de composições.
Depois, o pianista Pablo Gusmão sobe ao palco para executar ao lado da orquestra o icônico “Concerto nº 2 em Dó menor, Op.18” de Rachmaninoff (1873-1943). Considerada uma das obras mais conhecidas do compositor, a peça surpreende do ponto de vista estrutural e melódico e tornou-se tema de inúmeros filmes hollywoodianos. Gusmão é mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutor em performance pianística pela University of North Carolina at Greensboro (EUA), tendo representado o Brasil no Festival Chopin do Mercosul, ocorrido em Montevidéu.
Na segunda parte da noite, a “Sinfonia Nº 6 em Fá Menor, Op. 68 – Pastoral”, de Beethoven (1833-1897) será interpretada. Estreada em 1808, a peça demonstra o apreço do compositor pelo contato com a natureza. Em seus cinco movimentos, descreve as sensações experimentadas em ambientes rurais: a alegria da chegada ao campo; uma cena à beira de um regato; uma dança campestre; a tempestade; e, por fim, a ação de graças dos pastores após a tormenta.

O maestro Martín Jorge, que vem a Porto Alegre especialmente para reger a Ospa, deu início a sua carreira ainda jovem como diretor musical da Orquestra Filarmônica de Montevidéu. Desde então, tem regido concertos na América Latina, Alemanha, Espanha, Itália e Estados Unidos.
Martín Jorge (regente – Uruguai)
Diretor artístico da companhia de ópera do Teatro Solís, principal centro cultural da capital uruguaia, é também diretor titular da Banda Sinfônica de Montevidéu. Premiado como Jovem Artista pela Paz pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), é um destacado maestro da nova geração latino-americana e mantém uma importante agenda internacional.
Pablo Gusmão (piano – Brasil)
Doutor em performance pianística pela University of North Carolina at Greensboro (Estados Unidos), Pablo Gusmão é professor do Departamento de Música da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) desde 2009. Representou o Brasil no Festival Chopin do Mercosul, ocorrido em Montevidéu, e tem se apresentado nos Estados Unidos e no Uruguai como solista convidado.
SERVIÇO
Concerto da Ospa – Série Pablo Komlós
Quando: sábado (6), às 17h

Publicidade
Onde: Sala de Concertos da Casa da Música da Ospa (Centro Administrativo Fernando Ferrari – Avenida Borges de Medeiros, 1501/Centro, Porto Alegre-RS)
PROGRAMA
Ludwig van Beethoven: Fidelio, op.72c: Abertura
Sergei Rachmaninoff: Concerto nº 2, em Dó menor, Op.18
Ludwig van Beethoven: Sinfonia nº 6 em Fá Maior, Op.68 – Pastoral
Regente: Martín Jorge (Uruguai)
Solista: Pablo Gusmão (piano – Brasil).

Botão Voltar ao topo