Variedades

Livro retrata relações ecológicas de um jardim tropical

Duas vezes por ano, no início do outono e da primavera, ocorre no mundo um fenômeno da natureza conhecido como equinócio, quando o dia e a noite têm a mesma duração. Quando o relógio da natureza marca o equinócio da primavera, todos os dias que seguirão terão um minuto a mais de sol do que o anterior. Inicia-se então, o ciclo de reprodução para muitos animais, assim como o crescimento das plantas, que alimentam os herbívoros e, por sua vez, servem de alimento para seus predadores.

Esses e diversos outros acontecimentos científicos são explicados em forma de crônicas na obra “O Equinócio dos Sabiás: Aventura científica no seu jardim tropical”. “Durante a produção das crônicas, procurei mostrar que existe uma comunidade ecológica extremamente complexa no quintal da casa do leitor, e que ele, o leitor, pode contemplar e entender a interação dos seres vivos que ali habitam, mesmo que seu quintal seja apenas um vaso encostado num canto qualquer da casa”, explica o autor da obra, Marcos Rodrigues.

O livro, produzido com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em parceria com a Editora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), é organizado em 41 crônicas que podem ser lidas separadamente e que, juntas, percorrem 12 meses, tratando de maneira simples as relações ecológicas entre as espécies de animais e plantas que ocorrem num jardim tropical qualquer.

Para o autor, a divulgação científica para o público geral é rara no Brasil e é preciso que os conhecimentos sobre a natureza cheguem a um número cada vez maior de pessoas . “O país precisa se desenvolver em todos os campos da vida, e não há desenvolvimento sem livros. Um país se faz com homens, mulheres e livros, já disse Monteiro Lobato. O Brasil ainda se encontra muito atrasado neste aspecto porque lemos pouco. No caso dos cientistas, precisamos devotar um tempo a passar nossas descobertas para a população de uma maneira mais interessante, menos técnica. Precisamos falar um pouco mais com o público leigo, que não tem uma noção clara que suas vidas estão permeadas e dependentes totalmente da ciência. Espero que meu livro chegue a essas pessoas”, ressalta.

Botão Voltar ao topo