Novo Hamburgo

Saúde Mental: Novo Hamburgo inaugura Residencial Terapêutico

Prédio localizado no bairro Boa Vista vai atender portadores de transtornos mentais com vínculos sociais e familiares rompidos

A comunidade de Novo Hamburgo passa a contar, a partir de agora, com um serviço especialmente criado para atender portadores de transtornos mentais graves, que não possuam vínculos familiares ou moradia. Foi inaugurado, no início da tarde desta segunda-feira, 27, o Residencial Terapêutico, espaço com capacidade para abrigar até 10 pessoas adultas, localizado na Rua Quaraí, 197, bairro Boa Vista.

Publicidade

A cerimônia teve a presença do vice-prefeito, Dr. Antônio Fagan, do secretário municipal de Saúde, Naasom Luciano, da diretora de Saúde, Maristela Saul, da gerente de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Sayonara de Matos, e da presidente do Conselho Municipal de Saúde, Diones Martins Ayres. Também estiveram representados usuários do CAPS Santo Afonso, que participam das oficinas de música e fizeram apresentações especialmente para a inauguração da casa.

O Residencial Terapêutico vai funcionar 24 horas e os pacientes devem começar a chegar na próxima semana. A partir de hoje, a equipe passa por capacitação para o atendimento, enquanto a seleção de pacientes segue. “Vamos ter várias formas de ingresso, via judicial, avaliação pela rede municipal de atendimento, entre outras”, diz a gerente de Saúde Mental, Sayonara de Matos.

Mais do que um residencial, um lar

A reforma do prédio de 385 metros quadrados, que pertence ao município, ficou em torno de R$ 180 mil, e o gerenciamento dos serviços terá o investimento mensal de R$ 83 mil pagos ao Grupo Solução e Gestão (SEG), vencedor da licitação, coordenado pela presidente Edilene Katucha e pelo gerente de Projetos Edinilson Nogueira.

O atendimento serviço realizará intervenções cuidadoras focadas na reapropriação do espaço residencial como moradia, na construção de habilidades para a vida diária referentes ao autocuidado, alimentação, vestuário, higiene, formas de comunicação e aumento das condições para estabelecimento de vínculos afetivos e inserção na rede social existente. “Mais do que residencial, queremos fazer daqui um lar para acolher quem mais precisa”, disse Katucha. Nogueira destacou a qualificação da equipe entre profissionais do serviço social e de nutrição. “Queremos manter a essência que sentimos dessa gestão diante deste projeto. Certamente, será um lar”, arrematou Nogueira.

Serão pensados Projetos Terapêuticos Singulares (PTSs) que assegurem aos usuários o respeito às suas disponibilidades, possibilidades, limitações e potencialidades em cada situação. uma proposta de trabalho multiprofissional e interdisciplinar, sintonizada com os preceitos na clínica ampliada e do Acompanhamento Terapêutico.

Serviço Residencial Terapêutico promoverá ações de reabilitação psicossocial, resgate da cidadania e convívio social, proporcionará, sempre que possível, a reconstrução dos laços familiares, articulando com a rede de saúde, assistência, de educação, entre outras, para a construção do PTS.

A proposta, como salientou Sayonara, é que a permanência das pessoas atendidas no Residencial seja temporária, já que o propósito é a reinserção social.

“Este local é o resultado do trabalho de muitas mãos, e ficamos contente ao perceber que diante de todo este cenário de corte de verbas, nós estamos inaugurando um espaço como este com recursos próprios”, salientou o secretário de Saúde. Naasom Luciano ainda destacou a importância de olhar para as necessidades de quem vive em vulnerabilidade social e que muitas vezes não são notados pelo restante da sociedade. “A doença hoje está nas pessoas, nossa sociedade está doente e não enxerga os outros”, disse o secretário fazendo referência ao novo espaço, como representante deste olhar que se faz necessário que se abre como este olhar.

Na busca por colocar o foco na empatia, o vice-prefeito explicou que o trabalho será o de fazer a sociedade entender a diferença do tratamento a quem não tem oportunidades, e não tem possibilidade de evolução e crescimento se não tiver a participação da comunidade junto ao poder público. “Somos gente para cuidar de gente”, concluiu Fagan.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.