DestaqueGeral

China alega ter detectado coronavírus em asas de galinha importadas do Brasil

China relata que embalagem de asas de frango congeladas e importadas do Brasil testaram positivo para o novo coronavírus. O apontamento ocorreu na cidade de Shenzhen, no sul da China, disseram as autoridades nesta quinta-feira, o mais recente em uma série de relatórios de produtos alimentícios importados contaminados.

Segundo os chineses, o coronavírus foi detectado na quarta-feira em uma amostra de superfície retirada de um lote de asas de frango durante a triagem de alimentos congelados importados no distrito de Longgang, em Shenzhen, disse o governo municipal em um comunicado . Os funcionários não deram o nome da marca.
As autoridades de saúde, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, disseram que a possibilidade de contrair o vírus pela comida é muito baixa.

As autoridades de saúde de Shenzhen imediatamente rastrearam e testaram pessoas que poderiam ter entrado em contato com o produto, e todos os resultados deram negativos; todos os produtos relacionados em estoque foram lacrados e tiveram resultados negativos, disse o comunicado.
As autoridades agora estão rastreando produtos relacionados da mesma marca que já foram vendidos, e desinfetaram a área onde as asas de frango contaminadas estavam armazenadas.

O Brasil relatou até agora mais de 3,1 milhões de casos de coronavírus, o segundo maior do mundo depois dos Estados Unidos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.
A notícia das asas de frango contaminadas chega um dia depois que o coronavírus foi encontrado na embalagem de camarões importados do Equador, outro país da América do Sul, em um restaurante no leste da província de Anhui durante uma inspeção de rotina, informou a emissora estatal chinesa CCTV.

O coronavírus foi detectado na embalagem de produtos de frutos do mar importados em várias cidades da China

Desde julho, houve sete casos em que o vírus foi detectado nas embalagens de produtos do mar importados em todo o país, desde a província de Shandong, na costa leste, até o município de Chongqing, no oeste, de acordo com relatos da mídia estatal .
Esses incidentes geraram preocupações sobre a segurança dos alimentos importados. As autoridades sanitárias chinesas disseram repetidamente ao público para ser cauteloso ao comprar carne e frutos do mar importados. Nas redes sociais chinesas, alguns pediram a suspensão de todas as importações de alimentos congelados.

Nenhuma evidência de transmissão de alimentos

A OMS afirma que é “altamente improvável que as pessoas contraiam o Covid-19 em alimentos ou embalagens de alimentos”. De acordo com o CDC, o risco de infecção pelo vírus em produtos alimentícios, embalagens de alimentos ou sacolas é “considerado muito baixo”.

Ambas as organizações apontam que o coronavírus se espalha principalmente de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala.
Embora seja possível pegar Covid-19 tocando em uma superfície ou objeto – incluindo alimentos ou embalagens de alimentos que contenham o vírus – e, em seguida, tocando sua boca, nariz ou possivelmente olhos, não se acredita que seja o principal forma como o vírus se espalha, de acordo com o CDC.
“Não há evidências até o momento de vírus que causam doenças respiratórias sendo transmitidos por alimentos ou embalagens de alimentos. Coronavírus não podem se multiplicar em alimentos; eles precisam de um hospedeiro animal ou humano para se multiplicar”, disse a OMS.

David Hui Shu-cheong, especialista em medicina respiratória da Universidade Chinesa de Hong Kong, disse que os produtos alimentícios importados com resultado positivo na China quase certamente foram contaminados durante a embalagem.
Mas ele disse que isso não significa necessariamente que sejam infecciosos – os testes de ácido nucléico podem detectar o RNA de vírus mortos. Sabe-se que esses restos do vírus causaram resultados falso-positivos em pacientes que se recuperaram do coronavírus, como na Coreia do Sul.
Se o vírus retirado dos produtos alimentícios puder ser cultivado em laboratórios, entretanto, eles são infecciosos, disse ele, acrescentando que o coronavírus pode sobreviver a temperaturas congelantes e ainda estar ativo quando descongelado.

Triagem intensificada

As autoridades chinesas aumentaram a triagem de carnes e frutos do mar importados desde junho, quando um surto de coronavírus em Pequim surgiu no maior mercado atacadista de alimentos da cidade.

A mídia estatal noticiou na época que o vírus foi descoberto em uma tábua usada para o salmão importado no mercado, o que levou os supermercados da capital chinesa a retirarem o salmão de suas prateleiras.

Mas funcionários do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças tentaram dissipar as preocupações. “Não podemos concluir que o salmão é a fonte de infecção apenas porque um novo coronavírus foi detectado na tábua de um vendedor”, disse Wu Zunyou, epidemiologista-chefe do CDC chinês, à Comissão Central de Inspeção Disciplinar.

Wu disse que a tábua de cortar poderia ter sido contaminada por um proprietário ou clientes infectados, ou por outros produtos que carregavam o vírus.
Em julho, um novo surto de coronavírus na cidade de Dalian, na província de Liaoning, no norte da China, foi associado a uma empresa de frutos do mar , que processa frutos do mar importados e domésticos.

Os produtores de carne no Brasil receberam com estranheza a declaração chinesa

A Associação Brasileira de Proteína Animal emitiu nota oficial se posicionando sobre o ocorrido e protestando pela falta de clareza nas declarações das autoridades do país asiático. Confira na íntegra a nota oficial da ABPA.

NOTA OFICIAL DA ABPA
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que o setor produtivo está analisando as informações de possível detecção de TRAÇOS DE VÍRUS em EMBALAGEM de produto de origem brasileira, feita por autoridades municipais de Shenzhen, na China. Ainda não está claro em que momento houve a eventual contaminação da embalagem, e se ocorreu durante o processo de transporte de exportação. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil está em contato para esclarecimentos com o GACC (autoridade sanitária oficial da China), que fará a análise final da situação. A ABPA reitera que não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus, conforme ressaltam a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Ao mesmo tempo, o setor exportador brasileiro reafirma que todas as medidas para proteção dos trabalhadores e a garantia da inocuidade dos produtos foram adotadas e aprimoradas ao longo dos últimos meses, desde o início da pandemia global.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo