Publicidade
CASANEWSNegóciosSaúde

Cipatex lança 11 produtos de linha com ação antiviral

A Cipatex®, fabricante brasileira de laminados sintéticos, incorpora em seu portfólio 11 produtos com ação contra fungos, bactérias e vírus, incluindo o Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19.

Os revestimentos sintéticos antivirais, que já estavam disponíveis no mercado pela empresa desde o início de março, agora entram em linha atendendo a demanda dos setores automotivo, moveleiro, escritório e hospitalar. Os materiais contam com a tecnologia desenvolvida pela Nanox, empresa de nanotecnologia.

Para o mercado de móveis e decoração, os produtos de linha com efeito virucida são indicados para revestir sofás, poltronas, cadeiras, pufes, cabeceiras de cama e outros estofados. Os revestimentos antivirais para ambientes residenciais são o Corano® AV DT, em tons branco, bege, marrom e preto, e o Facto® AV Dunas, nas cores branco, fendi, café e preto.

O último também pode ser usado em áreas comerciais, salas de espera de consultório e clínicas e áreas restritas de hospitais, seja de baixo a alto fluxo de pessoas. Outro material disponível é o Pevecron AV Fox, indicado para móveis corporativos em geral e disponível na cor preta.

Para o segmento automotivo, a novidade fica por conta do Pevecron Auto AV Rivera, material desenvolvido para revestir bancos de carros. Disponível na cor preta, o revestimento confere resistência, durabilidade, conforto e design ao interior dos veículos. Com características e visual bem próximas ao couro, o produto é versátil, já que pode ser usado no assento em composê com outros tipos de revestimentos, como a própria pele animal ou tecido.

Voltado ao setor hospitalar, o produto que entra para distribuição é o Cilontex Med AV Le Mans em azul fosco. Destinado à confecção de colchões hospitalares em geral, o material passou por ensaios descritos em especificação técnica para oferecer proteção, flexibilidade e durabilidade, itens importantes para garantir conforto, higienização e segurança em ambientes com risco contínuo de contaminação.

Os artigos da Linha AV – Proteção Antiviral Cipatex® possuem eficácia virucida testada com base na norma internacional ISO 21702 (Measurement of antiviral activity on plastics and other non-porous surfaces). Os materiais recebem o aditivo antiviral desenvolvido pela Nanox durante o processo de produção.

Os revestimentos antivirais já saem da fábrica com micropartículas de prata e sílica que têm capacidade de inativar 99,72% do Sars-CoV-2 e outros em três minutos. “Na prática, se alguma pessoa infectada expelir gotículas de saliva ou tocar com as mãos contaminadas no revestimento, a tecnologia antiviral age para destruir a camada de gordura do vírus e inativá-lo, e a próxima pessoa que encostar no laminado estará sob proteção de até 99% de ser contaminada”, explica Andreza Scudeler, coordenadora de laboratório da Cipatex®.

“A prata é conhecida há muito tempo como um produto antimicrobiano e, com a chegada da pandemia, intensificamos os estudos da ação do componente contra o coronavírus, além de outros patógenos, como vírus, bactérias e fungos”, comenta o co-fundador e Diretor da Nanox, Daniel Minozzi.

Os produtos foram submetidos a testes conduzidos pela empresa especializada Quasar Bio, referência em ensaios com SARS-CoV-2, e que possui seus laudos protocolados pelo Prof. Dr. Lucio Holanda Gondim de Freitas Jr, especialista no assunto. Os ensaios são feitos em laboratório NB-3 (Nível de Biossegurança 3) e obedecendo às Boas Práticas de Laboratório (BPL).

Para verificar a eficiência e o comportamento virucida, os revestimentos também passaram por testes de envelhecimento, o que garante proteção a médio e longo prazo. A atuação do aditivo no laminado é resistente à limpeza com álcool ou outras formas de higienização, sem prejudicar sua ação antiviral.

Para desenvolver a nova linha de revestimentos, a Cipatex® contou com a parceria da Braskem na busca por soluções e investimento em tecnologia, resultando em materiais que atendem a nova realidade e necessidade global.

“Como o novo coronavírus pode sobreviver até três dias em algumas superfícies, como o plástico, por exemplo, a nova linha de revestimentos surge como grande aliada para minimizar a propagação do vírus”, comenta Rodolfo Zaratin, gerente de desenvolvimento da Cipatex®.

“Mesmo com a vacina e após o fim do período crítico, acreditamos que o mercado e os consumidores continuarão cautelosos no que diz respeito à saúde. A cultura de prevenção continuará forte”, complementa Silvio Martins, head de marketing da Cipatex®.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo