Pelotas

Pelotas adota medidas para segurar a tarifa dos ônibus – saiba o que muda

Com a finalidade de manter o valor da tarifa de ônibus, unificada em R$ 4,00, a Prefeitura de Pelotas, após aprofundar estudos técnicos, adota medidas que possibilitam ao usuário os deslocamentos sem reajuste.

O Poder Público considerou a necessidade do passageiro, fragilizado financeiramente pelos reflexos da pandemia da Covid-19, ser poupado de mais uma despesa. A tarifa mínima para absorver a majoração da planilha de custos operacionais foi calculada em R$ 4,30, condicionada a medidas.

Para garantir a tarifa de R$ 4,00, uma das mais baixas do Rio Grande do Sul, estimulando o uso do transporte coletivo pela população sem penalizá-la com aumento, a Prefeitura de Pelotas debruçou-se em estudos e cálculos, e identificou a necessidade de alguns ajustes que, a partir da zero hora de segunda-feira (12), entram em vigor.

Confira o que muda
– Para quem usa o sistema vale-transporte, o segundo deslocamento, pela integração tarifária, passará a ter o custo de 50% da passagem integral.

– Estudantes passam a pagar a passagem, como em todo o país e nos termos da Lei Orgânica do Município, com desconto de 50% da tarifa praticada.

– Usuários do cartão Cidadão e estudantes terão assegurada a integração plena, como nos moldes atuais.

– O subsídio tarifário – aporte financeiro público, repassado para custeio do serviço de transporte coletivo urbano, instituído pela Lei 6.913/2021 – será mantido em R$ 0,30 por tarifa até o mês de agosto, quando haverá nova avaliação da evolução de preços.

O Município criou um grupo de trabalho, integrado pelo gabinete da prefeita, secretarias de Transporte e Trânsito (STT), de Governo (SMG) e da Fazenda (SMF), além da Procuradoria-Geral do Município (PGM) e Assessoria de Comunicação (Ascom), para analisar, permanentemente, todas as questões que envolvem o transporte coletivo.

O secretário de Transporte e Trânsito, Flávio Al-Alam, pondera que as medidas que entrarão em vigor na segunda-feira “são imperativas para manutenção da operacionalidade do setor, diretamente atingido com a queda brusca de usuários, devido à determinação, por longos e repetidos períodos, de distanciamento social, como precaução ao coronavírus, e à suba reincidente de componentes da tabela de custos, principalmente o diesel”. O gestor ainda comenta que muitos municípios, a exemplo de Rio Grande e Porto Alegre, reajustaram as tarifas, editaram novos ajustes e ainda não encerraram a questão, devendo promover mais alterações.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo