EventosPorto Alegre

OSPA apresenta concerto do Cinquentenário do Dia da Consciência Negra

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) programou um concerto especial para os 50 anos do Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro. O concerto Cinquentenário do Dia da Consciência Negra faz parte da programação que a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) organizou para comemorar a data.

Publicidade

Serão quatro solistas negros à frente da orquestra: o pianista Marcos Aragoni e os cantores Saulo Javan (baixo-barítono), Edna D’Oliveira (soprano) e Geilson Santos (tenor). A apresentação tem regência do maestro e diretor artístico da OSPA Evandro Matté, e será também a primeira do ano com a participação do Coro Sinfônico da OSPA.

Porgy and Bess

Cantores de grande renome na cena lírica brasileira, Saulo, Edna e Geilson interpretarão músicas da ópera “Porgy and Bess”, de George Gershwin. Além deste trio solista, 48 vozes do Coro Sinfônico voltam a cantar presencialmente depois de quase dois anos.

Publicidade

Síntese inovadora de técnicas orquestrais, jazz e folclore, a revolucionária ópera “Porgy and Bess” estreou em 1935 em Nova York e obteve sucesso imediato com canções que entraram para o cânone americano como “Summertime”, “A Woman is a Sometime Thing”, “It Ain’t Necessarily So”, “Bess, You Is My Woman Now” e “I Got Plenty o’ Nuttin”.

A OSPA executa a versão para concerto da ópera (sem elementos teatrais). Nela, a soprano Edna D’Oliveira interpreta as três personagens femininas: Clara, cantando “Summertime”, Serena, na canção “My Man’s Gone Now” e Bess, no dueto “Bess, You Is My Woman Now”.

Rivalizando com “Porgy and Bess” pelo posto de “obra-prima” de Gershwin, “Rhapsody in Blue” também será executada pela OSPA. A peça instrumental carrega influências de blues e jazz. A estreia, em 1924, com o próprio compositor ao piano, foi um estrondoso sucesso catapultando Gershwin para a fama mundial.

Compositores brasileiros

O concerto também terá peças de compositores brasileiros. Começando por “Abertura n. 2”, do carioca Anderson Alves, que também é um dos principais maestros da nova geração brasileira. Em 31 de julho de 2021, Anderson regeu uma apresentação memorável de outra obra sua, “Fantasia para Orquestra Sinfônica” na Casa da OSPA.

O desfecho será com a versão orquestral de “Felicidade”, do mestre gaúcho Lupicínio Rodrigues, com arranjo de Dhouglas Umabel. Grande clássico do cancioneiro rio-grandense, a canção de 1947 já foi gravada por grandes nomes brasileiros, como Caetano Veloso, Moraes Moreira e Maria Bethânia.

Além disso, duas convidadas especiais, a percussionista, cantora e doutoranda em sociologia Nina Fola e a cantora Loma Pereira, prepararam uma surpresa para o público.

Botão Voltar ao topo