Rio Grande do Sul

Seminário discute impactos da presença das palometas nos rios gaúchos

Promovida por grupo de trabalho liderado pelo Pró-Sinos, atividade será realizada na Câmara de Vereadores de Esteio e vai avaliar as consequências socioeconômicas e ecológicas da espécie exótica

Gestores ambientais, representantes de pescadores, membros da academia e de entidades ligadas ao meio ambiente estarão reunidos no dia 8 de junho, na Câmara de Vereadores de Esteio, para o Seminário Palometas (Serrasalmus maculatus) nos Rios Gaúchos – Impactos Socioeconômicos e Ecológicos. O evento é uma realização do grupo de trabalho liderado pelo Consórcio Pró-Sinos, com participação do Ibama, Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA), secretarias de Meio Ambiente dos municípios da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos, representantes de pescadores e de universidades.

Publicidade

O grupo foi criado em 2021, assim que foi percebido que as piranhas-vermelhas vinham avançando em direção à foz do Rio Jacuí, no Lago Guaíba. Naturais (ou autóctones) na Região Hidrográfica do Rio Uruguai, nos últimos anos começaram a ser observadas nos rios da Região Hidrográfica do Lago Guaíba, onde não existiam.

O objetivo é criar uma rede para compartilhamento de dados e informações, monitorando as ocorrências, além de discutir e antecipar o planejamento de ações que facilitem o manejo e o controle das palometas a partir da chegada à Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos. “O seminário é uma oportunidade de reunir atores envolvidos com o tema e discutir impactos ecológicos e socioeconômicos do surgimento das palometas para construção de encaminhamentos”, destaca o diretor-técnico do Pró-Sinos, Hener de Souza Nunes Júnior.

Publicidade

A primeira parte do evento será reservada aos impactos ecológicos, com a apresentação da ictiofauna do RS (conjunto das espécies de peixes que existem numa determinada região), do histórico de invasões e impactos – as palometas não são as primeiras espécies invasoras no sistema Patos – e a caracterização da espécie: taxonomia, reconhecimento, hábitos e comportamento. A possibilidade de que canais de irrigação sejam o caminho para a transposição de bacias é um dos objetos de estudo

Na sequência, haverá um painel sobre o viés socioeconômico, no qual será apresentada a repercussão das palometas na pesca profissional, com participação de pescadores profissionais artesanais e usuários de recursos hídricos. Foram convidados trabalhadores que atuam nas regiões da Praia do Paquetá, Rio Pardo, Colônia Z-4 (Itapuã) e Colônia Z-5 (Ilha da Pintada). Também está previsto um relato sobre o monitoramento realizado pela Defesa Civil em Cachoeira do Sul e apresentação de políticas públicas para o pescador profissional, além de ações dos municípios para enfrentamento de crises.

O seminário prevê a apresentação de ações de monitoramento e acompanhamento da disseminação das palometas. Entre elas estão os projetos de Detecção de DNA Ambiental, desenvolvido por pesquisadores da UFRGS, de Monitoramento da Palometa, do IBAMA, o Programa Invasoras RS da SEMA, e a formação da rede de informação. Também será possível entender como é feita a captação de águas nas regiões limítrofes das bacias (interface Ibicuí – Vacacaí e Gravataí – Litoral).

O evento encerrará com perspectivas de convivência e ações para mitigação e controle dos danos. Serão apresentadas algumas alternativas de fontes de recursos para os estudos e as ações, como o fundo de recursos para recuperação de bens lesados, o Fundo Estadual de Meio Ambiente e conversão de multas ambientais. Representante do IBAMA apresentará o Plano Estadual de Combate à Invasão Biológica e o uso da eletricidade para diminuir/impedir a entrada de peixes em bombas de água. Também serão demonstradas estratégias de comunicação e educação ambiental relacionadas ao tema.

O Seminário de Palometas (Serrasalmus maculatus) nos Rios Gaúchos – Impactos Socioeconômicos e Ecológicos será apresentado pelo grupo de trabalho e representantes da Emater, Fepam, Ministério Público, Defesa Civil, Comitês de Bacia, Secretaria de Agricultura do Estado, docentes da UFRGS e Unisinos.

Via
Critério
Fonte
Roberta Schuler
Botão Voltar ao topo