PelotasTecnologia & Inovação

Robopel-210 inicia comemorando os 210 anos de Pelotas

Evento contou com oficinas presenciais

Celebrando o aniversário de Pelotas e iniciando a programação presencial de oficinas, o Robopel-210 foi aberto oficialmente no Pelotas Parque Tecnológico nesta quinta-feira (07) em um evento que marcou ainda mais a conexão entre educação e tecnologia. A cerimônia, que contou inclusive com um bolo comemorativo para a cidade, recebeu autoridades e também uma apresentação da Orquestra da Escola SESI. As oficinas presenciais acontecem até esta sexta-feira (08) e depois seguem online entre os dias 11 e 29 deste mês com transmissão pelo YouTube do Pelotas Parque Tecnológico e na TV Câmara.

Publicidade

O Robopel deste ano integra as atividades do projeto “Conectados nas comemorações dos 210 anos”, da Prefeitura de Pelotas, e traz temáticas variadas, como educação financeira, modelos de ensino híbrido, jogos digitais, criação de aplicativos, entre outros. A Prefeita da cidade, Paula Mascarenhas, acompanhou a abertura e destacou o momento de retomada do Robopel presencial.

Foto: Divulgação

“É uma alegria estar aqui nos 210 anos de Pelotas, coisa linda ver esse espaço assim, com esse barulho, essa energia, com esse sorriso no rosto. Foram dois anos em que a gente não podia estar aqui, tudo era virtual. É uma felicidade estarmos todos juntos, cheios de energia e conhecimento para compartilhar. Pelotas tem o maior orgulho do seu Robopel, das suas redes de ensino, porque a gente faz coisas muito boas. Os nossos jovens e crianças, nesse mundo de tecnologia, se superam, e isso é desenvolvimento, a gente está preparando o futuro da nossa cidade”, disse ela.

O Gerente de Operação do SESI SENAI, Dionísio Schutz, salientou que o SESI participa da organização do evento desde a sua primeira edição para contribuir na inovação em robótica para uso nas escolas do município. “A robótica faz parte do dia a dia na escola do SESI, assim como temos o teatro, a música, inclusive nossa orquestra está se apresentando hoje. Muitos alunos egressos seguem carreira na área tecnológica. E como a tecnologia está cada vez mais avançada, a gente quer ajudar o Município a trazer essa realidade para dentro das escolas”, contou Schutz.

O Vereador e Presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento, Indústria e Comércio na Câmara Municipal de Pelotas, Jone Soares (PSDB), falou da importância de aliar a tecnologia ao ensino. “O Robopel incentiva a área da tecnologia no nosso município, um mercado que só vem a crescer. As crianças e jovens já crescem sabendo lidar com a tecnologia, a mexer em um tablet, e fomentando isso para o lado da educação é que a gente vai conseguir avançar ainda mais.”, disse o parlamentar.

A cerimônia ainda contou com a presença do Vice-Prefeito, Idemar Barz, a Secretária Municipal de Educação e Desporto, Adriane Silveira, a Diretora de Turismo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Turismo e Inovação, Lizandra Cardoso, a Coordenadora da 5ª Coordenadoria Regional de Educação, Alice Maria Szezepanski, a Presidente do CONSSEDI e Diretora Executiva dO Pelotas Parque Tecnológico, Rosâni Ribeiro, e a Diretora da Escola SESI, Maristela Kellerman. Também esteve presente a Superintendente do Banrisul, senhora Vanialice Azeredo, Assessor Técnico do Conssedi, senhor Maurício Martins, representando o Deputado Federal Daniel Trzeciak, senhora Analu Ribeiro, a Gerente da Cooperativa, Flaviane Bender, o Conselheiro Gestor da CDL Pelotas e Diretor da Escola Santa Mônica, Enio Ferreira, o Diretor Técnico-Científico do Pelotas Parque Tecnológico, Edgar Mattarredona, o Presidente do Conselho de Administração da Tecnosul, Mauro Meirelles, o Gerente do BRDE , Alexandre Ness , a Diretora da Associação Comercial de Pelotas, Patrícia Batista e o representante do Sebrae, Bruno Costa.

Primeiras oficinas

Em seguida da abertura oficial, os alunos já viveram a experiência das primeiras oficinas presenciais. Quem participou desse momento foi Gabriel Santos Corrêa, de 10 anos, do Instituto de Menores Dom Antônio Zaterra. “Já criei dois jogos aqui. De futebol, né? Porque é uma coisa que eu gosto muito”, explica enquanto explora as ferramentas do Scratch, um programa de computador que serve para criar jogos. Ele, que participava pela primeira vez do Robopel, não exita quando a pergunta é se os jogos ajudam no aprendizado: “Aqui eu vejo muita coisa diferente, coisas que a gente não vê normalmente na escola”.

Já Caroline Bonow Holz, 12 anos, estudante da Escola Santa Mônica, conta que começou cedo sua experiência com tecnologia em sala de aula. Aluna do 7º ano, ela diz ter contato principalmente com robótica e kit de eletrônica. Na escola, a robótica é uma disciplina independente, mas que se relaciona com as demais áreas de conhecimento por meio de uma lógica interdisciplinar. O projeto de Caroline que estava em exposição era uma união da robótica com a literatura. “Não sei se vai ser a tecnologia o caminho que vou seguir um dia como profissão, mas acho bem interessante, e minha mãe já trabalha na área de Tecnologia da Informação, acho bem legal”, refletiu a jovem.

Programação

Esta edição do Robopel conta com oficineiros de várias partes do país e até mesmo da Bolívia. A programação também tem oficinas de parceiros como o Sebrae, Escola Sesi e Sicredi. Após o dia 11, o conteúdo será transmitido online pelo YouTube do Pelotas Parque e na rede de televisão através do canal da TV Câmara Pelotas.

Confira ainda a programação completa:

11/07 – Modelo de Ensino Híbrido Laboratório Rotacional na Prática (Adriane Carrilho Esperança e Letícia Fonseca da Silva)
13/07 – Meu Primeiro Aplicativo e segunda oficina: Criação do Mascote Robô (Cris Elena Padilha da Silva)
15/07 – Criação do Mascote Robô (Helena Vieira da Costa e Vitória Rivaroly Mielke)
18/07 – Análise Contextual e a Produção de Conteúdos Online (Douglas de Oliveira)
20/07 – Pintando o sete com eletricidade (Alexandre Bastos)
21/07 – Construindo relação espaço temporais a partir do globo virtual (Erika Collischonn, Caio Bedaque Barbosa e Guilherme Martins)
22/07 – Arte aplicada à Educação Profissional, práticas inclusivas com foco na Deficiência visual, (utilizando o Meet e o Google sala de aula). (Sandra Lopes)
25/07 – Pevitro com Clubeecraft (Lenir Maria Rossarola e Georgia Stella Ramos do Amaral)
27/07 – Estúdio de vídeo do Canva (Lenir Maria Rossarola e Georgia Stella Ramos do Amaral)
28/07 – Atividade desplugada com placas coloridas (Lenir Maria Rossarola e Georgia Stella Ramos do Amaral)
29/07 – Livro de Artista: escrita e arte (Augusto Lettini, Brenda Costa, Luísa Brisolara e Mariana Costa)

Sobre o Robopel-210

O Robopel-210 é uma realização do Pelotas Parque Tecnológico e Prefeitura Municipal de Pelotas, com coordenação da Escola Sesi Pelotas, Reverso Comunicação Integrada, ELIMU Social, NTE – Núcleo de Tecnologia Educacional de Pelotas/5ª CRE (Coordenadoria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul), CRIE/UFPel e CETEP – Centro Tecnológico Educacional de Pelotas/SMED – Secretaria Municipal de Educação. Apoio Institucional da Câmara de Vereadores de Pelotas – TV Câmara, além do apoio do Sebrae, Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), Diário Popular, K2TV, AZONASUL, Copes – Consórcio Extremo Sul, Co.Place Coworking, Sicredi, Alabama e SEPRORGS. Patrocínio Associação Comercial de Pelotas (ACP), Banrisul, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Cigam Software de Gestão. Internet oficial Vetorial Internet e Tecnologia.

Sobre o Pelotas Parque Tecnológico

O Parque, criado oficialmente em 2016, é gerido pela TECNOSUL – Parque Científico e Tecnológico, uma associação civil sem fins lucrativos de direito privado, caráter científico, tecnológico, educacional e cultural. Possui um Conselho de Administração (Consad), eleito a cada três anos, e atua em três grandes áreas nas quais o município já se destaca como polo: tecnologia da informação e comunicação; tecnologia em saúde e indústria criativa. Atualmente, 63 empresas atuam no Pelotas Parque Tecnológico, sendo 23 instaladas nas áreas geridas pelo Parque, sete no coworking, 15 incubadas, 18 pré-incubadas. Entre as incubadoras estão a Conectar, Incubadora de Base Tecnológica da UFPel; CIEMSUL, incubadora de empresas multissetorial da UCPel e SENATEC, destinada às empresas júnior. Ainda, existem 23 instituições parceiras. O Parque oferece espaço coworking, com área gastronômica para 55 pessoas, auditório para 230 pessoas, duas salas de reunião e capacitações e estacionamento para 65 carros. Ao todo, o Pelotas Parque gera 267 empregos diretos e 638 indiretos

Via
Tatiane Mizetti
Fonte
Reverso Comunicação Integrada

Posts relacionados

Botão Voltar ao topo