Norte RSVariedades

XV Festival de Folclore de Passo Fundo movimentará toda a cidade

O XV Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo vai movimentar a cidade entre os dias 04 e 12 de agosto, durante a programação alusiva aos 165 anos do Município.

O XV Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo vai movimentar a cidade entre os dias 04 e 12 de agosto, durante a programação alusiva aos 165 anos do Município. Em um novo formato, a festa cultural que une pessoas de vários locais do mundo será ainda mais próxima das pessoas, com apresentações nos bairros e na região central.

Publicidade

A principal característica do novo formato é a descentralização dos espetáculos. As apresentações diurnas serão realizadas em quatro escolas municipais, situadas nos bairros José Alexandre Zachia, Leonardo Ilha, Santo Antônio e Boqueirão. São elas, respectivamente: Guaracy Barroso Marinho, Eloy Pinheiro Machado, Romana Gobbi e Notre Dame.

De acordo com a secretária de Cultura, Miriê Tedesco, a divisão da cidade em quatro quadrantes aproxima as comunidades das manifestações culturais. “Haverá a expansão das atividades para além de um local exclusivo, como era anteriormente. As pessoas poderão aproveitar o festival em suas regiões, sem grandes deslocamentos”, afirmou, enfatizando que demais escolas, públicas e privadas, do município e da região, já estão fazendo agendamentos para acompanhar apresentações, que serão gratuitas.

Espetáculos noturnos serão realizados no Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Lalau Miranda. Acontecerão, ainda, ações itinerantes, como os desfiles pelas ruas da cidade e apresentações no Anfiteatro do Parque da Gare, na Gare Estação Gastronômica e na Estação Galeria da Arte. A programação completa do XV Festival Internacional de Folclore pode ser acessada em www.pmpf.rs.gov.br/festival.

Os desafios para a concretização do Festival

A pandemia da Covid-19 impactou a organização do Festival Internacional de Folclore. Para que a XV edição fosse concretizada, muitos desafios precisaram ser vencidos. “Partimos do zero e construímos tudo em um prazo curto. O festival foi assumido do início ao fim pela Prefeitura e tivemos poucos meses para organizar, pois pudemos pensar em festival quando isso foi minimamente autorizado pelas autoridades sanitárias. Além disso, enfrentamos dificuldades como a financeira e a desestruturação de grupos”, justificou a secretária de Cultura.

Com as dificuldades superadas, está chegando a hora de devolver o Festival para a cidade, o que fará todos os esforços valerem a pena. “Estamos trabalhando muito e dando conta de todas as necessidades, contando também com o auxílio de antigos voluntários. Em agosto, vamos colorir a cidade com o festival, que é tão querido e desejado pelos passo-fundenses e pela região”, disse Miriê.

Posts relacionados

Botão Voltar ao topo