Saúde

Maio Roxo alerta para as doenças inflamatórias intestinais

As doenças inflamatórias intestinais são um problema global que afeta mais de cinco milhões de pessoas. As formas mais comuns destas enfermidades são a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa.

Publicidade

O Maio Roxo é uma campanha global que alerta para a importância do diagnóstico precoce destas doenças e enfatiza a necessidade de tratamento adequado. As doenças inflamatórias intestinais são consideradas doenças crônicas e geralmente ocorrem em pessoas com idade entre 15 e 40 anos, embora possam ocorrer em qualquer idade.

Os sintomas comuns incluem diarreia, dor abdominal, sensação de inchaço, perda de peso e sangue nas fezes. O diagnóstico das doenças inflamatórias intestinais pode ser difícil, pois os sintomas podem ser flutuantes e variar em diferentes momentos. Por isso a detecção correta é crucial, pois um tratamento adequado pode reduzir as complicações, como a estenose e a perfuração intestinal.

Publicidade

“A própria doença pode ser traiçoeira no diagnóstico, por isso é importante que o paciente observe sinais flutuantes e a persistência de sintomas como fadiga, emagrecimento, diarreia persistente (crônica) por mais de quatro semanas e procure a ajuda de um gastroenterologista”, explica o Dr. Clóvis Klock, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP).

Infelizmente, quem tem colite também tem um risco maior de desenvolver câncer. Porém, com o tratamento certo e com o intestino cicatrizado, o risco diminui consideravelmente. “Para o paciente que tem um processo inflamatório é importante manter a vigilância do câncer colorretal”, diz o Dr. Klock.

O papel do patologista é crucial na análise das amostras ao microscópio para ajudar a determinar a histopatologia e permitir a escolha do tratamento adequado. O tratamento geralmente envolve medicamentos, e terapias biológicas são uma opção terapêutica recente.

A melhor prevenção contra as doenças inflamatórias intestinais é buscar uma alimentação saudável, evitando produtos com aditivos alimentares, consumir frutas como laranja e limão, fazer exercícios físicos, evitar a obesidade, fumo e bebidas alcoólicas, além de manter as consultas médicas e exames em dia.

Botão Voltar ao topo