Esportes

A novela mexicana de Luis Suárez no Grêmio

Em junho o jogador recebeu uma proposta tentadora do Inter Miami, com a oferta de um salário astronômico ao uruguaio para jogar nos Estados Unidos

Luis Suárez é um dos maiores nomes do futebol mundial e chegou ao Grêmio em 2022 com a expectativa de ser o artilheiro do time e do Brasil. O uruguaio não decepcionou e marcou 16 gols em 31 jogos, sendo decisivo em várias partidas. No entanto, o que era para ser um casamento perfeito entre jogador e clube se transformou em uma novela mexicana cheia de reviravoltas, polêmicas e indefinições.

Publicidade

O início da história

Suárez foi contratado pelo Grêmio após uma negociação que envolveu o presidente eleito Alberto Guerra, que fez uma proposta milionária ao jogador, que estava sem clube. O Grêmio contou com o apoio de empresas para bancar o salário do craque, que seria o maior do elenco, na casa dos R$ 1,5 milhão. O contrato foi de dois anos, com uma multa rescisória de 70 milhões de euros (cerca de R$ 370 milhões).

O uruguaio chegou ao Grêmio com status de ídolo e foi recebido com festa pela torcida. Ele estreou na Recopa Gaúcha contra o São Luiz e logo mostrou seu faro de gol. Suárez se adaptou rapidamente ao futebol brasileiro e ao estilo de jogo do técnico Renato Gaúcho. O atacante participou de quase 40% dos gols do Grêmio na temporada, sendo fundamental para a conquista do Campeonato Gaúcho e para a boa campanha no Brasileirão.

Publicidade

A primeira crise

No entanto, nem tudo eram flores na relação entre Suárez e o Grêmio. Em junho o jogador recebeu uma proposta tentadora do Inter Miami, clube da MLS que pertence ao ex-jogador David Beckham. O time norte-americano ofereceu um salário astronômico ao uruguaio, que ficou balançado com a possibilidade de jogar nos Estados Unidos.

O Grêmio, por sua vez, não queria perder seu principal jogador e fez uma contra-proposta para tentar segurá-lo. O clube ofereceu um aumento salarial. Suárez, no entanto, recusou a oferta e deixou claro que queria sair.

A situação gerou um mal-estar entre o jogador e a diretoria do Grêmio, que se sentiu desrespeitada pelo atleta. O presidente Alberto Guerra afirmou que só liberaria Suárez se o Inter Miami pagasse a multa rescisória integralmente. O clube norte-americano, porém, não estava disposto a desembolsar tanto dinheiro e tentou negociar um valor menor.

A segunda crise

Enquanto isso, Suárez começou a sofrer pressão da torcida do Grêmio, que não aceitava sua saída. O jogador e seus familiares passaram a receber ameaças nas redes sociais por parte de alguns torcedores com frases ofensivas.

Suárez ficou abalado com as manifestações hostis e pediu ao Grêmio para não ser relacionado para os jogos até que sua situação fosse resolvida. O técnico Renato Gaúcho acatou o pedido do jogador e o afastou do elenco. O treinador disse em entrevista coletiva que lamentava a situação e que esperava uma definição rápida.

O empresário de Suárez, Alejandro Balbi, bateu no peito e disse que não tinha medo das ameaças dos torcedores. Ele afirmou que o jogador tinha o direito de escolher seu destino e que não iria se intimidar com as pressões. Ele também criticou a postura do Grêmio, que segundo ele estava dificultando a saída do atleta.

Botão Voltar ao topo