Variedades

Equipe do Atlantis Bahamas auxilia no retorno de peixe-boi à natureza

Após três meses de recuperação sob os cuidados da equipe de mamíferos marinhos do Atlantis, o peixe-boi selvagem de origem da Flórida (um dos aproximadamente três mil peixe-boi marinhos machos da Flórida existentes no planeta), salvo em setembro, foi solto no início deste mês, perto do seu local de resgate, na região bahamense de Spanish Wells. Como o único resort com instalações capacitadas para atendimento médico  laboratorial, pesquisa e acolhimento de vida marinha independente, o Atlantis conta com uma equipe de especialistas em mamíferos marinhos, que, junto aos veterinários do Dolphin Cay e em parceria com agências locais e internacionais e parceiros de pesquisa (Departamento de Recursos Marinhos das Bahamas, , Serviço Geológico dos Estados Unidos, , Universidade da Flórida, Organização de Pesquisa de Mamíferos Marinhos das Bahamas e Comissão de Conservação de Peixes e da Vida Selvagem da Flórida), monitorou o progresso do mamífero 24 horas por dia até a sua completa reabilitação.

Publicidade

Durante o período de três meses de recuperação no Atlantis, Manny cresceu de 165 kg (estado de desnutrição) para o peso saudável de 381 kg, e agora juntou-se à crescente população de peixes-boi selvagens nas Bahamas. A população desta espécie nos Estados Unidos se recuperou o suficiente para o Governo Federal do Estado rebaixar seu status como espécie em perigo de extinção para espécie ameaçada de extinção, presente até a primavera anterior.

Publicidade

Devido ao seu nível de conhecimento, profissionalismo e comprometimento com o meio ambiente, a equipe do Atlantis, Paradise Island foi selecionada pela Organização de Pesquisa de Mamíferos Marinhos das Bahamas (BMMRO, da sigla em inglês) e pelo Departamento de Recursos Marinhos das Bahamas para liderar o procedimento oficial do resgate marítimo e de cuidados intensivos do peixe-boi, após os moradores de Spanish Wells terem avistado Manny pela primeira vez. O resort emprega em período integral mais de 75 especialistas em mamíferos marinhos com anos de experiência de campo, além de possuir o seu próprio barco de pesquisa (The Sea Keeper) utilizado para realização de estudos da vida selvagem e restauração de recifes de corais, bem como para resgates de animais marinhos feridos ou em situação de risco.

Ao comparar seu padrão único de cicatriz com o de peixes-boi conhecidos na Flórida, os cientistas da Comissão de Conservação de Peixes e da Vida Selvagem da Flórida e do Serviço Geológico dos Estados Unidos concluíram que, antes de migrar para as Bahamas, Manny foi visto pela última vez na região de Tampa, na Flórida. Após avaliações finais, tratamentos e testes feitos pela equipe do Atlantis, em colaboração com a ampla equipe local e internacional do campo de conservação da vida selvagem, o Departamento de Recursos Marinhos das Bahamas autorizou o retorno do peixe-boi para Spanish Wells (North Eleuthera), onde foi encontrado pela primeira vez e onde atualmente reside uma pequena população de peixes-boi. O progresso de Manny no Atlantis foi imenso, com um total de peso ganho de mais de 181 quilos. Desnutrido, o animal foi diariamente alimentado com 144 pés de alface romana, 24 pés de couve e quatro sacos de espinafre, até o momento de sua libertação.

Para saber mais sobre os programas de mamíferos marinhos do Atlantis e sua equipe de pesquisa, visite: http://atlantisbahamas.com/pt/thingstodo/marinehabitat. Para informações sobre o Atlantis Blue Projetct Foundation, acesse: http://blueprojectatlantis.org/.

Publicidade
Botão Voltar ao topo
Fechar