Saúde

Quase 70% dos doentes com câncer estão desnutridos

Nesta Semana Nacional de Combate ao Câncer, o diagnóstico precoce das condições clínicas e nutricionais é mandatório no paciente oncológico. O alerta parte de especialistas brasileiros em nutrição que, unidos, querem tornar evidente o problema. Mais de 66,3% dos doentes com câncer estão desnutridos. A associação da doença resulta em maior taxa de infecção e mais tempo de permanência nos hospitais.

Publicidade

O resultado é preocupante, uma vez que 20% dos pacientes com câncer morrem por desnutrição e não pela doença ou pelo tratamento”, observa Nivaldo Pinho, chefe do Departamento de Nutrição do Instituto Nacional do Câncer.  “Aumentar a educação médica e fornecer elementos de terapia nutricional como suplementos nutricionais orais, tubos de alimentação e outros dispositivos relacionados são aspectos importantes para a mudança”, observa Pinho.

Prevalência da desnutrição:

Pinho é um dos estudiosos autores de um position paper que reúne 49 artigos de 18 países sobre desnutrição clínica. O documento atualizou dados do IBRANUTRI, levantamento que em 1996 revelou que quase metade (48,1%) dos pacientes internados na rede pública de país apresentam algum grau de desnutrição; 12,6% graves e 35,5% moderados.

O IBRANUTRI também identificou que a desnutrição hospitalar apresenta níveis diferentes, de acordo com a região estudada, bem como o estado em questão, aumentando significativamente nas regiões Norte/Nordeste.  O Pará foi o Estado com maior incidência de desnutrição. Ali, 78,8% dos pacientes analisados eram desnutridos, 29,4% dos quais, gravemente. A Bahia vem em seguida, com 76% de desnutridos. O quadro foi considerado grave em 33,7% dos pacientes. Mas o problema não se limita às regiões menos desenvolvidas do país. Em Minas Gerais, na região Sudeste, 54,4% dos pacientes analisados tinham alguma desnutrição.

Reação

O problema é grave e está estimulando especialistas renomados a fortalecerem estudos e evidências científicas a fim de estimular a melhoraria de políticas de tratamento.  “Até 60% dos pacientes internados na América Latina estão desnutridos”, afirma Dan Waitzberg, gastroenterologista e professor associado da Faculdade de Medicina da USP. Dan está à frente de um novo estudo de posicionamento (com textos de 49 autores de 18 países) que convida médicos, gestores públicos e a comunidade hospitalar a enfrentarem a desnutrição clínica no país.  Segundo o médico, a doença é a mais prevalente no país e não está nas estatísticas de mortalidade.

Tipos

De acordo com Dan, há três categorias de desnutrição, que é a falta de nutrientes essenciais para o corpo humano. A primeira é a desnutrição ‘primária’ – quando alguém que não tem condições de comprar alimentos chega ao hospital. Em geral, a pessoa procura um hospital público, mas, economicamente, por conta de poucos recursos, acaba comendo mais carboidratos. Não come vitaminas e minerais. Muitas vezes, é até um indivíduo obeso, mas é um desnutrido porque a massa magra é muito reduzida.

A desnutrição ‘secundária’ é causada pela doença que levou o paciente ao hospital, a exemplo de câncer, infecções, doenças inflamatórias, renais, hepáticas e cardíacas. .A terciária se dá quando a pessoa fica desnutrida durante a estadia no hospital. A pessoa fica em jejum para exames, nem sempre realizados, e prolongados. E tem reação a certos tipos de náuseas e vômitos e ainda pode não gostar e não comer a comida do hospital.

“Um em cada quatro pacientes com câncer morre por desnutrição e as declarações de óbito sequer mencionam o problema”, observa Robson Moura, presidente da Associação Baiana de Medicina (ABM). “Precisamos aumentar o apoio nutricional a quem recebe alta hospitalar e ainda demanda tratamentos como por exemplo os pacientes oncológicos. Ou ainda, aqueles que irão, por exemplo, ser operados e que precisam melhorar as condições nutricionais, algo que pode ser feito em casa e não no hospital,” esclarece Maria Isabel Toulson Davisson Correia, orientadora plena do programa de pós-graduação em Nutrição da Faculdade de Enfermagem da UFMG, do programa de Ciências de Alimentos da Faculdade de Farmácia da UFMG.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.