Saúde

Arroz dourado: espera pode estar perto do fim

O Canadá está na vanguarda dos transgênicos. Em março de 2018 o país deu sinal verde para o arroz dourado, uma variedade geneticamente modificada (GM) do grão que possui altos níveis de betacaroteno, fonte de vitamina A. Segundo comunicado da Health Canada, a variedade “é tão segura quanto as já comercializadas”. Além dessa decisão, a nação mais ao norte da América vem se destacando por algumas outras aprovações recentes e pioneiras:

O aceno positivo seguiu o de outros países como Austrália e Nova Zelândia, que emitiram parecer favorável ao arroz dourado em dezembro de 2017. E este somou-se ao manifesto a favor do cereal GM assinado por mais de 100 vencedores do Prêmio Nobel. O Provitamin A Biofortified Rice Event GR2E (nome técnico do arroz dourado) foi criado com fins humanitários para combater a deficiência de vitamina A em regiões de extrema pobreza, especialmente na Ásia. O arroz branco, consumido por quase metade da população mundial, não é fonte de vitamina A.

arroz dourado 471x468 - Arroz dourado: espera pode estar perto do fim

Arroz dourado no combate a deficiência de vitamina A

Meio milhão de crianças ficam cegas a cada ano por causa da deficiência de vitamina A, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Além disso, a OMS estima que mais de 100 mil crianças menores de cinco anos morrem todos os anos por falta desse nutriente, que compromete o sistema imunológico e causa mortalidade por doenças simples como diarréia, infecções respiratórias tratáveis entre outras.

A vitamina A é primordial para o crescimento e desenvolvimento dos tecidos. Também mantém saudável a pele, primeira defesa do organismo contra infecções. Essencial para visão, o nutriente está presente em alimentos como cenoura, brócolis, batata-doce, manga e damasco, mas não no arroz branco. O dourado, entretanto, apresenta altos níveis de vitamina A.

Origem e história do arroz dourado

Preocupado com o quadro de mortalidade e má nutrição em países em desenvolvimento, Ingo Potrykus, professor do Swiss Federal Institute of Technology, resolveu criar o que parecia impossível até então: um arroz capaz de produzir betacaroteno, precursor da vitamina A. A ele se juntou o especialista no estudo do betacaroteno Peter Beyer. Os dois combinaram seus conhecimentos e iniciaram a pesquisa financiada pela Fundação Rockefeller no começo dos anos 90.

Em 1999, eles apresentaram o primeiro protótipo do arroz dourado, que ganhou esse nome por causa da sua cor amarelo-dourada, resultado da modificação de dois genes responsáveis pela produção do betacaroteno no endosperma do grão de arroz.

Depois, décadas de pesquisas de campo foram realizadas pelo International Rice Research Institute (IRRI) em conjunto com o Phillipine Rice Research Institute (PRRI). O objetivo era garantir que as variedades seriam capazes de expressar quantidades de betacaroteno suficientes para eliminar a deficiência de vitamina A nas populações em que o arroz é a base da dieta.

Tags

Artigos relacionados