Moda & Beleza

Cotton Project desfila no SPFWN45

1.O que acreditamos ser libertador pode acabar se tornando fundamentalmente restritivo;
2. É impossível se livrar da ansiedade, mas você pode mudar a formal na qual se
relaciona com ela;
3. A demanda por variedade é mais opressiva que a continuidade;
4. As pessoas são mais felizes quando estão em busca de algo que ainda não alcançaram;
5. A natureza não dá saltos;
6. A ilusão do individualismo pode mitigar o poder do coletivo;
7. Seja positivo, seu estado emocional da forma as suas percepções, pensamentos e memórias;
8. A insegurança é um sistema de controle social usado pelo capitalismo;
9. O futuro é vegetariano;
10. A tecnologia, quando usada em equilíbrio, pode ser incrível.

No Inverno 2018 a Cotton Project analisa a seguinte premissa: se você pudesse se livrar de suas obrigações e começar uma vida nova, como ela seria? Antecipando a subjetividade da resposta, em um primeiro momento a marca propõe uma análise ética ao invés de uma imposição estética, apresentando dez citações que funcionariam como drivers internos para mudança.

Publicidade

Em um segundo momento, com a inevitabilidade da representação estética, a marca apresenta uma visão pessoal dessa mudança. De acordo com a Cotton Project, essa mudança de vida passaria por uma mudança comportamental (neuroplasticidade) e a proposta de um maior equilíbrio entre a vida urbana e a natureza, uma fuga bucólica. Dessa forma, a coleção se traduz em cores rurais, conceitos clássicos/funcionais e uma estética atemporal.

Cores: Cores terrosas (marrom, bege e ocre), mostarda, lilás, verde pastel, petróleo e cores clássicas (marinho, preto, branco e cinza).

Materiais: Camurça, pelúcia sintéticas, jacquard, moletom, veludo cotelê, jeans, sarja, tricot e couros naturais.

Publicidade

 

FICHA TÉCNICA
Direção Criativa: Rafael Varandas
Estilo: Acácio Mendes
Direção do Desfile: Augusto Mariotti
Trilha: Marcelo Gerab
Cenografia: Man Made
Beleza: Dindi Hojah

Fotos: Agência Fotosite

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar