DestaqueSaúde

Hérnia de disco: descoberta de novo órgão humano pode ajudar no tratamento

Uma equipe de pesquisadores norte-americanos descobriu um novo órgão do corpo humano, o interstício. A descoberta mostrou que ele se espalha por todo o organismo como nos tecidos que revestem o aparelho digestivo, nos pulmões, nos vasos sanguíneos e nos músculos. A pesquisa foi publicada pela revista “ScientificReports” e é fruto de um estudo conduzido por especialistas da Universidade de Nova York e do Centro Médico Mount Sinai Beth Israel. Os pesquisadores relacionaram o novo órgão aos princípios de ação de tratamentos como a homeopatia, a acupuntura, o shiatsu, a fisioterapia e a ozonioterapia medicinal.

Os pesquisadores mostraram que o interstício funciona como uma espécie de “rede amortecedora”. Localizado em todas as partes do corpo humano, ele teria a função de diminuir os impactos, pressões e movimentos contínuos, impedindo que os tecidos se rompam.  Outra grande descoberta dos estudiosos é que essa rede formada de colágeno e elastina, cheia de líquido, representaria mais de um quinto de todo o fluído do organismo. O contínuo movimento desse fluído pode ser a explicação, por exemplo, do porquê tumores que invadem o interstício se espalham com mais rapidez pelo corpo e evoluem de forma mais agressiva.

As células desse órgão, bem como as fibras de colágeno que as sustentam, se alteram com o passar dos anos e podem contribuir para a formação de rugas e também para o endurecimento das articulações e avanço de doenças inflamatórias ligadas a fenômenos de esclerose e fibrose.

De acordo com o ortopedista Dr. Maurício Marteleto, Chefe da Clínica Pró-Movimento em São Paulo, esse fato científico da descoberta do interstício é a principal peça do quebra-cabeças que faltava na interpretação das observações clínicas feitas por médicos chineses que utilizaram terapias consideradas alternativas como a acupuntura há pelo menos 5 mil anos,  e mais modernamente através da homeopatia, das vacinas e da ozonioterapia, por exemplo, sem que um modelo científico de estudo pudesse ser constituído através de tais observações .

Segundo o médico, pacientes com hérnia de disco e outras doenças degenerativas da coluna e articulações podem se beneficiar muito com a comprovação da existência do interstício. “O espaço discal é preenchido por proteoglicanos repletos de fluído intersticial.  Se todo o fluído intersticial do organismo, como querem provar os pesquisadores, tem comunicação entre si pela matriz extracelular, no decorrer da vida e por exposição à poluentes do ar, da água, dos alimentos, dos remédios e também por causas externas e peculiares a cada pessoa, o organismo acaba sofrendo degeneração e produzindo doenças em 1 ou várias dessas regiões”, explica o médico.

Coincidentemente, os pontos de maior degeneração da matriz extracelular (propensas às sobrecargas mecânicas ou funcionais) são também os de maior acúmulo de toxinas, que se acumulam em razão da perda da capacidade de eliminação e pronta resposta do sistema imunológico. Conforme o Dr. Maurício, tais pontos devem ser adequadamente tratados a partir de uma “limpeza”, eliminando a causa da doença degenerativa. Isso explicaria porque a estimulação de determinados meridianos da acupuntura acelera a cura do paciente. “O mesmo pode ser dito da homeopatia, cujo princípio da similaridade pode acionar órgãos específicos de eliminação de toxinas. A administração do ozônio medicinal, por exemplo, teria uma função semelhante”, informa o médico. O gás ozônio combina-se com toxinas e metais pesados desativando-os ou tornando-os solúveis na forma de óxidos. Essas toxinas, por sua vez, podem ser drenadas com maior facilidade pelo fluxo do fluido intersticial para fora do organismo melhorando inflamações e quadros de dor.

Publicidade
Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios