DestaqueSaúde

Prevenção e diagnóstico de tumores oculares

Alterações na visão relacionadas a tumores podem aparecer em qualquer fase da vida. O problema engloba desde os tumores primários até metástases de tumores de outras partes do corpo, além de efeitos colaterais nos olhos decorrentes de tratamentos para câncer em outros órgãos. Portanto, uma visita ao oftalmologista em caso de qualquer suspeita é essencial para um diagnóstico ainda em estágio inicial. Tanto tumores malignos, aqueles que podem ocasionar a morte do paciente, quanto benignos, que não colocam diretamente a vida em risco, podem afetar um ou ambos os olhos. “Vale destacar que alguns tumores benignos merecem uma atenção especial, pois se não tratados nos estágios iniciais ou tratados de forma inadequada, podem causar sequelas que comprometem a qualidade de vida do paciente, com a perda da visão ou mesmo a retirada do olho”, explica o Dr. Renato Sant Ana, oftalmologista e especialista em oncologia ocular do H.Olhos – Hospital de Olhos. Entre os problemas mais comuns, estão:

  • Carcinoma de células escamosas – tumor maligno na superfície ocular, que acomete adultos;
  • Retinoblastoma – afeta crianças entre 0 e 6 anos e são tumores intraoculares malignos;
  • Melanoma de coroide – tumor intraocular maligno, em adultos.

Sintomas e diagnóstico

Nos estágios iniciais, os tumores oculares podem causar vermelhidão nos olhos, que fica presente por meses, e visão embaçada, que não melhora com o uso de óculos. Além disso, deve receber atenção redobrada o surgimento de um sinal pigmentado, geralmente marrom, com crescimento progressivo em adultos e com o aparecimento de manchas brancas e avermelhadas na parte de fora dos olhos. Entretanto, os pacientes demoram para procurar atendimento e isso pode dificultar o diagnóstico e agravar o problema.

Dependendo do tipo e em qual estágio o câncer está, pode ser necessário tratamento que envolve a retirada da pálpebra ou do olho. Há também a preocupação com tumores que atingem partes da visão que causam cegueira irreversível e, principalmente, com os malignos, que podem levar o paciente a óbito. “O diagnóstico pode ser realizado durante a consulta oftalmológica, porém em casos mais complexos, é necessária a execução de exames complementares, como a ultrassonografia ocular”, acrescenta o especialista.

Prevenção e tratamento

Apenas alguns tumores podem ser evitados. Por exemplo, em casos de carcinoma de células escamosas, podem ser usadas proteções contra a radiação solar e a consulta oftalmológica anual ajuda na prevenção da doença. “As formas mais comuns de tratamento são cirurgias, quimioterapia em colírio e radioterapia. Além disso, vale ressaltar a importância do diagnóstico em estágio inicial”, finaliza o Dr. Renato Sant Ana.