DestaqueGeralRS

RS: banhista deve ficar alerta com águas-vivas e caravelas

O Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul (CIT) reforça os cuidados que banhistas do litoral devem ter com a presença de animais marinhos, como águas-vivas (ou mães-d’água) e caravelas. O contato com esses animais – os cnidários – pode causar dor intensa, ardência, lesões e bolhas na pele. Somente em janeiro, foram notificados mais ocorrências desse tipo do que em todo o ano passado.

A bióloga Kátia Moura, do CIT, ressalta que, em caso de contato com os animais, os banhistas devem lavar o local com água do mar e fazer compressas com vinagre. “Nunca se deve usar água doce, porque piora a situação, estourando bolhas tóxicas”, explica. “O vinagre é a principal forma de agir, pois neutraliza as toxinas”, completa. Caso algum tentáculo fique grudado na pele, Kátia alerta para a pessoa não puxá-lo quando estiver fora da água. “Se precisar, faça isso ainda dentro do mar, com a área submersa. Caso já esteja na areia, só puxe se puder ir molhando o local com vinagre”, orienta Kátia. Não devem ser aplicadas substâncias sem indicação médica nem pisar ou manipular animais mortos na beira da praia. Caso persista a vermelhidão e/ou dor no local, a recomendação é procurar atendimento médico.

aguas vivas rs - RS: banhista deve ficar alerta com águas-vivas e caravelas

Ocorrências notificadas
As primeiras semanas de 2019 já superaram os números do ano passado de acidentes com águas-vivas. Até 30 de janeiro já eram 98 registros, ante 69 de 2018, de acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Os números deste ano, contudo, ainda são inferiores a 2017, quando foram notificados 221 casos. Em 2019, as ocorrências mais frequentes foram em Imbé (64 registros) e Arroio do Sal (25), seguido de Torres (7), Capão da Canoa (1) e Rio Grande (1).

Esses números são apenas os registrados. “Em muitos pontos do litoral os guarda-vidas têm vinagre para auxiliar os banhistas em caso de acidente. Isso faz com que a pessoa não necessite procurar atendimento médico posterior, diminuindo os registros no sistema”, observa a bióloga Kátia Moura, do CIT.
Os guarda-vidas do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul utilizam, desde 2015, uma bandeira específica para sinalizar aos banhistas a presença de águas-vivas nas praias gaúchas. Da cor lilás, é colocada à beira-mar quando os profissionais identificam a presença dos animais na água.

Plantão 24 horas
O CIT oferece orientações no plantão 24 horas (inclusive feriados, sábados e domingos) pelo telefone 0800-721-3000

Etiquetas
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios