DestaqueSaúde

O risco do emagrecimento rápido de idosos com doenças graves

A perda de peso pode ajudar a prevenir e controlar muitas doenças, como a hipertensão ou as crises de asma. Porém, emagrecer rapidamente e sem motivos aparentes é um sinal de que algo está errado – e de que o corpo está consumindo mais energia do que é gerada pela alimentação.

As doenças catabólicas são caracterizadas pelo alto gasto de energia, consumindo as reservas do corpo e provocando o rápido emagrecimento. Cânceres, doenças infecciosas e condições crônicas provocam essa perda de peso repentina e devem ser tratadas de forma multidisciplinar, contando com avaliação das causas da perda de peso e o apoio de nutricionistas.

Fibrose pulmonar idiopática

Isso pode ocorrer com os pacientes com fibrose pulmonar idiopática, doença crônica e progressiva que tem como principais sintomas a falta de ar e a tosse crônica. O Dr. José Roberto Megda Filho, Pneumologista da Residência de Clínica Médica do Hospital Universitário de Taubaté, explica que “a falta de ar provocada pela doença é o reflexo da menor troca de oxigênio nos pulmões. Com menos oxigênio no organismo, as células do corpo têm menos energia para funcionarem. Assim, a musculatura respiratória trabalhará mais, devido à perda de elasticidade dos pulmões, que estão endurecidos pelas cicatrizes e com troca gasosa diminuída, numa tentativa compensar a diminuição da oxigenação”.

Todo esse processo faz com que o corpo gaste mais energia e, como efeito, ele precisará utilizar suas reservas energéticas. Para compensar as perdas, a solução encontrada pelo organismo é o consumo das reservas do fígado, no primeiro momento, e depois das gorduras e da reserva energética das proteínas musculares. Essa é uma das principais razões que levam o paciente a perder peso. O perigo está na perda excessiva de peso e desnutrição. Por isso, é fundamental que os pacientes com doenças que consomem muita energia tenham apoio de nutricionista como parte do grupo multidisciplinar de acompanhamento.

Um estudo recente aponta que o Índice de Massa Livre de Gordura é um importante indicador da sobrevida em pacientes com fibrose pulmonar idiopática. O emagrecimento é uma das consequências da doença e gera fraqueza e cansaço nos pacientes, além de diminuir a sobrevida. Por outro lado, o mesmo estudo indica que maior capacidade de exercício e mais massa magra podem prolongar a vida do paciente. Por isso, uma das recomendações dos pneumologistas é a reabilitação pulmonar. Para que todas essas questões sejam supervisionadas, outros profissionais também estão envolvidos no tratamento de pacientes da fibrose pulmonar idiopática. Fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas e radiologistas são algumas das especialidades que se envolvem nesses casos.

De acordo com o Dr. Megda, o emagrecimento pode ser natural durante o envelhecimento. “Após os 50 anos de idade, pode haver a perda de 1% a 2% da massa muscular por ano. Algumas pessoas podem ter uma perda maior e anormal dessa massa (sarcopenia). Entretanto, existem situações que essa perda acelera ainda mais, como a fibrose pulmonar idiopática”. O especialista também aponta que, como a fibrose pulmonar idiopática atinge pessoas com idade avançada, o emagrecimento não é tão facilmente notado. A demora para procurar o especialista faz toda a diferença para o bem-estar dos pacientes com fibrose pulmonar idiopática, que costumam receber o diagnóstico correto 1 a 2 anos após o início dos sintomas. Isso dado que, durante essa jornada, erros de diagnóstico são frequentes e ocorrem em cerca de metade dos casos da doença. A fibrose pulmonar idiopática apresenta taxa de sobrevida pior do que muitos tipos de câncer, atingindo entre 14 e 43 pessoas a cada 100 mil no mundo. No Brasil, a estimativa é de que haja de 13 a 18 mil casos.

Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios