RSSão Leopoldo

Nível de atividade econômica de São Leopoldo cresce 3,2%

No primeiro trimestre de 2019, o Nível de Atividade de São Leopoldo cresceu 3,2% frente ao mesmo período de 2018. Esta é uma das principais informações do Boletim Socioeconômico Trimestral apresentado para empresários e representantes municipais pela ACIST-SL na manhã desta terça-feira (28). “É um dado interessante quando a previsão do PIB nacional é de apenas 0,2%”, pontua o economista Marco Lélis, que coordenou as apurações. Contudo, ele destaca que no quarto trimestre de 2018, o desempenho havia sido de 4,5%. No primeiro trimestre de 2018, o índice foi de apenas 0,7%.

O Nível de Atividade de São Leopoldo é obtido pela avaliação de quatro pilares. O primeiro é a arrecadação municipal (impostos sobre a produção e a circulação), seguido pela geração de emprego formal (Estoque do emprego formal e a diferença entre as taxas de variação do salário médio dos admitidos e dos desligados). O terceiro é o Efeito Brasil, calculado a partir do IBC-BR e o quarto são as exportações São Leopoldo.

Lélis explicou que, para dimensionar o desempenho dos principais indicadores do município de São Leopoldo, tomaram-se por base de comparação os municípios e Novo Hamburgo, Canoas e Gravataí, uma vez que pertencem à Região Metropolitana de Porto Alegre e possuem mais de 200 mil habitantes e apresentem características demográficas e de localização geográfica similares às observadas em São Leopoldo.

Empregos – São Leopoldo foi de 1.138 novas vagas no 1º trimestre de 2019. Este resultado é o melhor dentre os municípios analisados no período, além de ser o saldo mais positivo no período. Em março de 2019, estima-se que 61.471 pessoas estavam formalmente empregadas em São Leopoldo.

Entre os subsetores que mais geraram empregos formais em São Leopoldo, destaca-se o da Indústria do material de transporte, que apresentou geração de 464 novos empregos formais no 1º trimestre de 2019. Na sequência aparece o subsetor de Instituições de crédito, que registrou saldo positivo de 456 no mesmo período.

Por outro lado, dentre os subsetores com os piores saldos trimestrais de São Leopoldo está o de Serviços médicos, que encerrou o 1º trimestre de 2019 com saldo negativo de 42 empregos formais. Na sequência aparecem os setores da Indústria química e Serviços industriais de utilidade pública, com o fechamento de 39 e 26 vagas, respectivamente.

Exportações – Dentre os municípios selecionados, Novo Hamburgo foi o único que registrou variação positiva de suas exportações no 1º trimestre de 2019 frente ao mesmo período de 2018. Os demais municípios destacados registraram retração: Gravataí (-32,6%), Canoas (-24,1%) e São Leopoldo (-8,0%).

No 1º trimestre de 2019, as exportações leopoldenses representaram 2,4% do total exportado pelo Rio Grande do Sul. Essa participação é mais de duas vezes superior à participação de Canoas e mais de três vezes a de Novo Hamburgo.

Maria Helena Tronquini diretora da Escola Municipal Gusmão Brito bx - Nível de atividade econômica de São Leopoldo cresce 3,2%

Escolas Gusmão Britto e Paul Harris se destacam no cenário da Educação

A quarta edição do Boletim Socioeconômico Trimestral da ACIST-SL tem a Educação como o bloco temático. “O propósito do Boletim é trazer, além dos dados econômicos, uma visão sobre os itens de crescimento da cidade e a Educação, com certeza, é a principal delas”, disse Oldemar Brahm, presidente da ACIST-SL. O boletim trouxe indicadores da educação nacional, estadual e dos municípios de São Leopoldo, Novo Hamburgo, Canoas e Gravataí.

O BST foi apresentado para empresários e representantes municipais pela ACIST-SL na manhã desta terça-feira (28), na sede da ACIST-SL.

E para saber como realmente está a educação municipal, a equipe que produz os dados do BST avaliou com profundidade o desempenho das escolas na Prova Brasil. Uma das conclusões foi o desempenho de duas escolas da rede pública de ensino. “Nas turmas de 5º ano, destacou-se a escola Professora Maria Gusmão Britto pela manutenção do desempenho (236,17 em 2011 e 236,93 em 2017) e volume de atendimento (1.033 alunos na escola em 2017, conforme informações do INEP)”, apontou o economista Marcos Lélis.

Outro desempenho relevante foi da Escola Municipal Paul Harris, que melhorou seu desempenho 23,6% em 2017 frente s 2011. “Além disso, a escola é a única entre as melhores nas turmas de 5º ano que possui Nível Socioeconômico do Grupo 4”, ressalta. Conforme definição do INEP, neste perfil a renda familiar mensal média está entre 1,5 e 5 salários mínimos. No Grupo 5, a renda familiar mensal média está entre 5 e 7 salários mínimos.

Convidados para o painel, os diretores de ambas as escolas relataram que o desempenho positivo deve-se principalmente aos projetos desenvolvidos dentro e fora das salas de aulas. Ademir Auler, diretor da Escola Municipal Paul Harris, destacou que os projetos científicos desenvolvidos todas as quintas-feiras de manhã têm acionado a curiosidade nata dos estudantes. Maria Helena Tronquini, diretora da Escola Gusmão Britto, disse que as diversas atividades têm estimulado os alunos a ficarem mais no ambiente escolar. Hoje, praticamente não há evasão escolar e a índice de faltas é quase zero.

O secretário municipal de Educação, Ricardo da Luz, destacou que é preciso mudar o atual modelo pedagógico, incentivando o espírito crítico dos estudantes. “Hoje, tudo pode ser pesquisado na Internet. Então, é preciso estimular novas alternativas para atrair e incentivar pesquisas e outros formas de conhecimento.

O diretor do Colégio Sinodal e vice-presidente Administrativo da ACIST-SL, Ivan Renner, foi o mediador do painel. Ele ressaltou que o Ensino deveria ser totalmente público, com grandes incentivos aos professores. “Estimular o professor a oferecer, além do conhecimento de aula, as suas habilidades pessoais para ajudar outros colegas e projetos, contribui para um ensino melhor”, apontou.

O conteúdo completo do boletim pode ser acessado AQUI.

Saiba Mais:

Em 2017, o desempenho das escolas municipais de São Leopoldo foi superior à média das escolas municipais do Brasil (248,10) e também superior às escolas municipais do Rio Grande do Sul (259,81).

Ao considerar a média ponderada do desempenho das turmas do 5º ano das escolas municipais dos municípios em destaque, São Leopoldo apresenta o terceiro melhor resultado. O município fica à frente apenas de Canoas. Contudo, destaca-se que a diferença entre os quatro municípios é pequena.

Por outro lado, ao observar a pontuação média das turmas do 9º ano das escolas municipais, tem-se São Leopoldo distinguindo-se dos demais, com pontuação média de 274,10, resultado que coloca o município mais de 10 pontos à frente do segundo colocado, Canoas.

Em relação à proporção entre alunos do 5º e do 9º ano, nota-se maior equilíbrio no município de Canoas, no qual 61,9% dos alunos da rede municipal que realizaram a Prova Brasil em 2017 frequentavam o 5º e 38,1%, o 9º ano. Em Novo Hamburgo, observa-se grande concentração dos alunos que realizaram a prova no 5º ano (85,3%). Em São Leopoldo também registra-se concentração nos alunos do 5º ano (78,1%) que realizaram a Prova Brasil em 2017.

De modo geral, considerando tanto o desempenho no 5º quanto no 9º ano, o município do Canoas desponta com o melhor desempenho entre os quatro municípios analisados, enquanto São Leopoldo figura na terceira posição.

Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios